Rússia não mostra sinais de que está saindo da Geórgia, diz NYT

Apesar de Moscou ter anunciado que começou a retirada das tropas, soldados russos mantém suas posições

The New York Times,

18 de agosto de 2008 | 18h37

Apesar de a Rússia ter anunciado que começou a retirada de suas tropas da Geórgia nesta segunda-feira, 18, soldados russos ainda mantinham posições ao longo de estradas próximas da capital Tbilisi e não davam sinais de estarem recuando.   Veja também: Rice eleva o tom e adverte Rússia por 'jogo perigoso' com EUA ONU pede US$ 58 mi em ajuda às vítimas do conflito na Geórgia Ouça o relato de Lourival Sant'Anna  Imagens feitas direto de Gori, na Geórgia  Godoy e Cristiano Dias comentam conflito  Entenda o conflito separatista na Geórgia   Ao contrário, em uma das principais estradas que levam à capital georgiana, quatro tanques russos se movimentaram algumas milhas em direção à cidade e chegaram a se chocar com carros de polícia que bloqueavam a via, enquanto policiais georgianos assistiam consternados. Em outros lugares do território da Geórgia, não foi constatada nenhuma movimentação significante de tropas.   Funcionários norte-americanos anunciaram no último domingo que militares russos deslocaram lançadores de mísseis de balísticos de pequeno alcance na província separatista de Ossétia do Sul, em um passo que pode ser interpretado como uma tentativa de garantir seu domínio sobre o território separatista. Das novas posições de lançamento ao norte de Tskhinvali, capital de Ossétia do Sul, os mísseis podem atingir boa parte da Geórgia, incluindo Tbilisi.   O presidente russo, Dmitri Medvedev, declarou que a retirada das forças russas começaria nesta segunda-feira, para cumprir o acordo de paz de seis pontos assinado pelos dois países na semana passada. Medvedev não especificou o ritmo desse recuo, dizendo apenas que as tropas iriam sair de Ossétia do Sul e de uma chamada zona de segurança.   Em Moscou, nesta segunda-feira um porta-voz militar anunciou que as forças russas de fato começaram a se retirar. A agência de notícias estatal da Rússia - Agência de Informação Russa - informou que seus correspondentes notaram pequenos comboios de cinco ou dez tanques se moveram para o norte durante o dia.   No interior da Geórgia, a cerca de 25 milhas da capital, na estrada principal, quatro tanques russos passaram pelo posto de controle em Igoeti e seguiram para outra direção. Soldados se amontoavam no teto dos veículos com rifles Kalashnikov.   Durante a tarde, na entrada de Gori, cidade central da Geórgia que esteve nas mãos do Exército russo por dias, tropas de Moscou eram vistas sentadas com pertences pessoais, fumando ou cochilando.   "Eles não estão se movendo", afirmou Temuri Yakobashvili, ministro da reintegração da Geórgia. Ele disse que uma tentativa de troca de prisioneiros falhou nesta segunda-feira porque as autoridades georgianas suspeitavam que Moscou não havia divulgado uma lista completa dos prisioneiros.   No acordo de cessar-fogo, ambas as partes permitiram que a Rússia conduzisse "operações de segurança" fora das regiões separatistas onde o conflito começou, que foram usadas pela Rússia como justificativa para ocupar uma grande área do território georgiano.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGeórgiaOssétia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.