Rússia nega que navio sequestrado levava mísseis ao Irã

Segundo especialistas, embarcação suportamente atacado por piratas, carregava armamentos para o país

Efe,

08 de setembro de 2009 | 10h18

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, negou categoricamente que o navio "Arctic Sea", sequestrado em julho em águas do Báltico, transportava mísseis S-300, como disseram alguns meios de comunicação. "É totalmente falso que a bordo do 'Arctic Sea' houvesse mísseis S-300", declarou Lavrov durante uma entrevista coletiva concedida nesta terça-feira, 8.

 

Segundo o ministro, citado pela agência oficial RIA Novosti, em breve as autoridades russas começarão a investigar e a periciar o cargueiro. Destas atividades também participarão representantes de Malta, país sob cuja bandeira o navio mercante navegava. "Tudo será transparente e espero que todos se convençam de que os rumores são infundados", acrescentou Lavrov.

 

O desaparecimento do "Arctic Sea" foi denunciado em 8 de agosto, pelo jornalista Mikhail Voitenko, que recentemente deixou a Rússia após receber ameaças. Voitenko, editor de uma publicação especializada no setor naval, informou que a embarcação foi sequestrada em circunstâncias muito estranhas. Ele também levantou dúvidas sobre a carga do navio e disse que por trás do sequestro poderiam estar serviços secretos, russos ou estrangeiros.

 

Oficialmente, o "Arctic Sea" transportava madeira da Finlândia para um porto na Argélia, onde deveria ter chegado em 4 de agosto. No entanto, os contatos com a tripulação foram perdidos em 28 de julho, quatro dias após o navio ter sido abordado no Báltico por uma lancha. Segundo a Rússia, o navio foi sequestrado por oito piratas, todos detidos.

 

O governo russo assinou um contrato de venda de mísseis S-300 com o Irã, mas até agora não entregou nenhum lote das armas. O acordo é veementemente repudiado por Israel, que acredita que a entrega de mísseis causaria um desequilíbrio de forças no Oriente Médio.

 

A suspeita de que a embarcação levava tais mísseis aumentou quando a Rússia concentrou grandes esforços para tentar recuperar a carga do navio. Em uma operação de resgate, três helicópteros com capacidade mais que necessária para resgatar a tripulação foram enviados a alto mar. Além disso, desconfia-se pelo fato de piratas terem atacado um navio que carregava madeira, uma carga de baixo valor e alvo incomum dos criminosos.

Tudo o que sabemos sobre:
Artic SeaRússianaviosequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.