Rússia pede à Coreia do Norte que suspenda atividades nucleares

A Rússia pediu à Coreia do Norte nesta quinta-feira que suspenda seu programa de enriquecimento de urânio e aceite novamente o monitoramento da Organização das Nações Unidas no setor nuclear, abrindo o caminho para as negociações internacionais.

THOMAS GROVE, REUTERS

01 de dezembro de 2011 | 09h28

A Coreia do Norte disse na quarta-feira que estava avançando rapidamente com o enriquecimento de urânio em sua usina de Yongbyon, instalação que as potências estrangeiras acreditam irá abrir um segundo caminho para a potencial construção de uma bomba nuclear, junto com seu programa de plutônio.

A Rússia pediu aos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a agência nuclear da ONU, que examinem o programa que, segundo a Coreia do Norte, tem apenas fins pacíficos.

"A implementação consistente do programa de urânio na Coreia do Norte só pode criar sérias preocupações", disse o ministério de Relações Exteriores russo, em comunicado divulgado em seu site.

"Pedimos aos nossos parceiros na Coreia do Norte que... anunciem uma moratória para todas as atividades nucleares, inclusive para o enriquecimento de urânio, e convidem os especialistas da AIEA para que examinem a instalação de enriquecimento de urânio em seu complexo nuclear de Yongbyon", afirmou.

Negociações envolvendo seis países - Coreia do Norte, Coreia do Sul, Estados Unidos, China, Japão e Rússia - fracassaram em 2008, e os inspetores da ONU foram expulsos da Coreia do Norte em 2009.

O comunicado russo disse que a suspensão das atividades de enriquecimento e o convite aos inspetores "criariam condições favoráveis para a retomada das negociações entre os seis países."

O líder norte-coreano, Kim Jong-il, que visitou a Rússia em setembro, disse que os diálogos deveriam ser retomadas sem pré-condições, mas os EUA e a Coreia do Sul afirmam que a Coreia do Norte tem primeiro de suspender suas atividades nucleares, inclusive o enriquecimento de urânio.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIACOREIANORTENUCLEAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.