Rússia pede a Kiev e a rebeldes que ajudem especialistas no local do acidente

Declaração veio após Kiev acusar a Rússia e os separatistas pró-Moscou de destruírem evidências de "crimes" internacionais

REUTERS

19 de julho de 2014 | 11h45

A Rússia pediu às autoridades ucranianas e aos rebeldes neste sábado que permitam que os especialistas internacionais tenham acesso ao local do acidente do avião da Malaysian Airlines, disse o Ministério das Relações Exteriores.

"O lado russo apela para ambos os lados do conflito ucraniano, insistindo para que façam o possível para permitir o acesso dos especialistas internacionais à área do acidente do avião, para que possam fazer o que for necessário para a investigação", disse o comunicado.

A declaração veio quando Kiev acusou a Rússia e os separatistas pró-Moscou de destruírem evidências de "crimes internacionais", dizendo que possuem provas de que os russos dispararam o míssil que matou os 298 passageiros a bordo da aeronave na quinta-feira.

"É intrigante que, antes do julgamento sequer ter começado, os representantes oficiais de vários países se apressaram a apresentar suas versões, sem fundamento, do que causou a queda do avião, aumentando a pressão no andamento da investigação" disse o Ministério do Exterior russo.

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, culpou a Rússia na sexta-feira pelo abate do Boeing 777, enquanto dois funcionários dos Estados Unidos disseram que Washington tinha fortes suspeitas de que ele foi derrubado por separatistas apoiados por Moscou.

(Reportagem de Maria Kiselyova)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAUCRANIADESASTREAVIAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.