Rússia pede aos EUA que 'congelem' escudo antimísseis

Secretário de Defesa americano admite que sistema de defesa por se tornar uma ameaça para os russos

Agências internacionais,

12 de outubro de 2007 | 14h00

Rússia e Estados Unidos não conseguiram acabar com suas divergências sobre a instalação do escudo antimíssil americano no Leste Europeu. Nesta sexta-feira, 12, Moscou pediu que o governo americano "congele" os planos do sistema de defesa. Porém, o governo russo se comprometeu a estudar a nova proposta apresentada pelos EUA durante a reunião entre líderes dos dois países.  "Os EUA apresentaram sua nova proposta sobre o escudo antimíssil, orientada para a busca de soluções comuns", completou o ministro de Assuntos Exteriores russo, Serguei Lavrov, após a reunião que realizou com a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, e o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates. Ele disse ainda que o sistema de defesa é visto pela Rússia como uma "potencial ameaça" e que precisa ser neutralizado. Gates admitiu que "embora em um futuro próximo as instalações previstas para ter a Polônia e a República Tcheca como sedes não representem atualmente uma ameaça para a Rússia, no decorrer do tempo poderiam passar a sê-lo". "Por isso, estamos dispostos a elaborar medidas conjuntas e convencer a parte russa de que isso não ocorrerá", explicou o secretário de Defesa dos EUA. A opção russa, segundo Lavrov, consiste em "congelar o desdobramento na Europa do terceiro bloco antimíssil enquanto prosseguirem as negociações". Tratado nuclear Numa manobra capaz de fortalecer a posição dos russos no embate cada vez mais intenso com os Estados Unidos no setor militar, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou após a reunião ainda que o país pode abandonar um tratado sobre mísseis atômicos de alcance intermediário, assinado pela Rússia e pelos EUA, se o acordo não for ampliado para incorporar outros países. O presidente russo disse que outros países poderiam ser convencidos a aderir ao INF. "Se não conseguirmos atingir essa meta, será difícil para nós permanecermos no âmbito do tratado em uma situação na qual outros países desenvolvem tais sistemas bélicos, entre os quais países localizados nas proximidades da Rússia." Putin também pediu a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, e o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, que os EUA abandonassem o plano que visa instalar parte de um escudo de defesa antimíssil na Europa. A Rússia diz que o escudo ameaça a sua segurança. O governo russo já deixou parte do Ocidente preocupado ao anunciar que abandonará outro pacto da Guerra Fria, o Tratado sobre Forças Convencionais (CFE). Alguns líderes de países ocidentais alertaram sobre a possibilidade de serem retomadas as tensões da Guerra Fria se os russos continuarem adotando medidas para restabelecer seu poderio militar, provocando atritos com o Ocidente.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUAescudo antimísseis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.