Rússia pede que França e Alemanha garantam a paz na Ucrânia

A Rússia apelou à Alemanha e à França neste sábado para garantir que Kiev não incite violência no leste da Ucrânia para encorajar os Estados Unidos a enviarem armas letais às forças ucranianas. 

REUTERS

21 Março 2015 | 10h20

Paris e Berlim ajudaram a mediar um acordo de paz na capital bielorussa de Minsk no dia 12 de fevereiro para dar fim aos confrontos entre forças do governo e separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia, mas a trégua ainda está frágil. 

Em uma entrevista com um canal de televisão russo, o ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov disse que estava preocupado que Kiev poderia encenar "provocações" para tentar convencer os Estados Unidos sobre o envio de ajuda à Kiev, o que consistiria em remessas de armas letais. 

"Provocadores em Kiev poderiam "criar alguma coisa" na expectativa de que isso influencie a opinião mundial e armas chegarão à Ucrânia", disse ele no novo programa Vesti no sábado com Sergei Brilev. 

"Estou convencido de que Berlim e Paris, os agentes mais importantes da negociação, devam prevenir que isso ocorra". 

Lavrov também repetiu que é contra as forças de paz da Organização das Nações Unidas serem enviadas ao leste da Ucrânia. 

Os Estados Unidos consideram o envio de armas letais à Ucrânia, mas nenhuma decisão foi tomada ainda. 

Kiev acusa Moscou de não cumprir os termos dos acordos de Minsk. O governo ucraniano e o Ocidente dizem que a Rússia apoia separatistas no leste do país com armas e tropas, o que é negado pelo governo russo. 

(Por Katya Golubkova)

Mais conteúdo sobre:
RUSSIA UCRANIA PAZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.