AP
AP

Rússia pede que Google não promova eventos 'ilegais' após protestos eleitorais

Vários canais transmitiram manifestações ao vivo pelo YouTube

Redação, Reuters

11 de agosto de 2019 | 13h42

MOSCOU  - A agência reguladora de comunicações da Rússia pediu neste domingo que o Google pare de promover “grandes eventos ilegais” em sua plataforma de vídeo, o YouTube.

Dezenas de milhares de russos organizaram no sábado o que observadores classificaram como o maior protesto político do país em oito anos, desafiando a repressão para pedir eleições livres para o Legislativo municipal de Moscou. Vários canais transmitiram o evento ao vivo pelo YouTube.

A agência reguladora, Roscomnadzor, disse que algumas entidades estavam comprando anúncios no YouTube, como notificações push, para difundir informações sobre protestos ilegais, incluindo aqueles que visavam desorganizar as eleições. 

A agência disse que se o Google não atender o pedido, a Rússia considerará a atitude uma “interferência em seus assuntos soberanos”, além de “influência hostil (sobre) e obstrução de eleições democráticas na Rússia.”

Se a companhia não adotar medidas para impedir que estes eventos sejam promovidos em suas plataformas, a Rússia se reserva ao direito de responder apropriadamente, disse a Roscomnadzor, sem dar detalhes.

Ao longo dos últimos cinco anos, a Rússia criou leis mais rigorosas, exigindo que mecanismos de busca apaguem alguns resultados de pesquisas, serviços de mensagens compartilhem chaves de criptografia com serviços de segurança e redes sociais armazenem os dados pessoais de cidadãos russos em servidores dentro do país. 

Um porta-voz do Google na Rússia não quis comentar o assunto neste domingo.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGoogleprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.