Rússia promete retaliar sanções dos EUA por violação de direitos humanos

A Rússia prometeu nesta quarta-feira que vai retaliar o que definiu como sanções "infundadas" dos Estados Unidos, impostas um dia antes, contra 12 cidadãos russos por violações de direitos humanos, incluindo a suposta negativa de assistência médica para um advogado delator que morreu em uma prisão russa.

Reuters

21 Maio 2014 | 15h36

Os EUA não relacionaram as sanções - que ampliam uma lista de 2012 relacionada à morte do advogado Sergei Magnitsky - com as que impôs este ano à Rússia pela anexação da Crimeia e a agitação no leste da Ucrânia.

O Ministério de Relações Exteriores russo acusou os EUA, contudo, de "padrão duplo" por não se pronunciarem sobre os abusos que afirma estarem serem cometidos pelas autoridades ucranianas no combate aos separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia.

"Nós vemos a decisão do governo dos EUA de impor sanções financeiras e de vistos contra 12 cidadãos russos... como infundadas e ditadas por um desejo cínico de usar a tragédia humana para objetivos políticos inescrupulosos", disse o ministério, em um comunicado.

"O lado americano está tentando ser moralizador mostrando falsa preocupação com o destino do falecido Sergei Magnitsky num momento em que os protegidos dos EUA, as autoridades de Kiev, estão usando força contra a população no sudeste da Ucrânia.

O comunicado evidenciou a profundidade da crise nas relações entre as duas antigas potências da Guerra Fria.

Os aliados ocidentais do governo interino em Kiev acusam Moscou de semear a rebelião na Ucrânia e anexar ilegalmente a Crimeia. A Rússia nega estar fomentando a agitação e diz que os levantes populares têm como alvo o governo ilegítimo instalado em Kiev por meio de um golpe.

(Reportagem de Alissa de Carbonnel)

Mais conteúdo sobre:
RUSSIA EUA DIREITOSHUMANOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.