Rússia realiza desfile militar pelo 65º aniversário da vitória sobre nazistas

Tradicional cerimônio contou com a presença de líderes internacionais

EFE

09 Maio 2010 | 08h35

MOSCOU - O tradicional desfile militar por causa do dia da vitória sobre a Alemanha nazista, que completa neste domingo, 9, 65 anos, foi realizado na Praça Vermelha de Moscou.

 

 

 

Depois que o ministro da Defesa, Anatoli Serdiukov, passou revista às tropas, e o presidente, Dmitri Medvedev, pronunciou seu discurso da tribuna, o hino russo foi entoado, acompanhado de salvas.

 

 

 

Na cerimônia, que durou 72 minutos, participaram 10.500 soldados russos e cerca de mil representando os Estados da pós-soviética Comunidade dos Estados Independentes, assim como dos Estados Unidos, do Reino Unido, da França e da Polônia.

 

É a primeira vez que tropas de países da Otan desfilam na parada militar, a poucos metros das muralhas do Kremlin.

 

Além disso, circularam sobre a Praça Vermelha 159 veículos militares, entre carros de combate, blindados, peças de artilharia auto-propulsadas, sistemas antiaéreos e plataformas com mísseis.

 

Abriram passagem nove lendários tanques T-34 e foram exibidos também foguetes tático-operacionais Iskander-M, sistemas de defesa aérea com mísseis S-300 e S-400, plataformas de lançamento múltiplas de foguetes Smerch e plataformas móveis com mísseis balísticos intercontinentais Topol-M, a arma mais temível do arsenal russo.

 

A parada foi fechada por orquestras militares dos Estados Unidos, Reino Unido, França e Rússia.

Participaram da cerimônia três mil veteranos, cerca de 200 procedentes de outros 24 países.

 

Entre os líderes estrangeiros presentes estavam a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente israelense, Shimon Peres, e o dirigente chinês, Hu Jintao.

 

Do espaço

 

Os tripulantes da Estação Espacial Internacional (ISS) realizaram hoje a partir do cosmos o 65º aniversário da vitória sobre a Alemanha nazista, embora não pudessem acompanhar ao vivo o grande desfile militar realizado na Praça Vermelha de Moscou.

 

"Na época das estações Saliut e depois do complexo orbital Mir, organizávamos transmissões dos desfiles e inclusive conexões ao vivo com as famílias dos cosmonautas, que convidávamos à Praça Vermelha", explicou a psicóloga chefe para o espaço, Olga Kozerenko, citada pela agência oficial "Itar-Tass".

 

No entanto, a ISS não dispõe dos equipamentos necessários para receber o sinal e, além disso, no espaço não há satélites transmissores como os que garantiam a recepção das imagens pelos laboratórios Saliut e Mir.

 

Por isso, os cosmonautas da plataforma orbital só podem acompanhar os programas da televisão russa nas gravações em formato DVD que recebem nas naves de carga.

 

Além disso, devido à "lei seca" que

 

rege na ISS, seus tripulantes não puderam brindar à saúde dos veteranos com os "100 gramas do combate", os 100 mililitros de vodca por soldado diários, aprovados em 1941 pelo ditador soviético Iosif Stalin.

 

Os cosmonautas poderão ver alguns dos melhores filmes soviéticos e russas sobre a disputa mundial que tradicionalmente emitem as cadeias de televisões no Dia da Vitória e que fazem parte da ampla filmoteca da plataforma orbital.

 

A tripulação atual da ISS é integrada pelos russos Oleg Kotov, Aleksandr Skvortsov e Mikhail Kornienko, os americanos Timothy Creamer e Tracy Caldwell Dyson e o japonês Soichi Noguchi.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.