Rússia reitera que retirada de tropas da Geórgia termina na 6.ª

Apesar das forças russas manterem posições estratégicas, Moscou diz que saída acontecerá dentro do prazo

Agências internacionais,

21 de agosto de 2008 | 16h53

A retirada de todas as forças russas da Geórgia terminará na sexta-feira, 22, declarou nesta quinta o ministro da Defesa da Rússia, Anatoli Serdiukov, citado pela agência Interfax. "Conforme a ordem do supremo chefe das forças armadas, na sexta-feira, às 6 horas locais, todas as tropas iniciarão a retirada do território georgiano em direção à Ossétia do Sul", província separatista pró-Moscou, acrescentou Serdiukov, segundo informações da agência France Presse. Na terça-feira, o presidente russo Dmitri Medvedev havia anunciado o prazo para a retirada completa, mas ainda assim soldados russos ocuparam nesta quinta a principal cidade portuária da Geórgia, Poti, aumentando as dúvidas sobre o recuo.   Veja também: Rússia interrompe relação com Otan Tensão com Rússia faz petróleo disparar; Petrobrás sobe 3% Blindados russos retornam à cidade de Gori e ao porto de Poti Ouça o relato de Lourival Sant'Anna  Imagens feitas direto de Gori, na Geórgia  Godoy e Cristiano Dias comentam conflito  Entenda o conflito separatista na Geórgia    Ainda nesta quinta-feira, a Rússia pediu uma nova reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU para discutir a situação na Geórgia, um dia após apresentar seu próprio projeto de resolução para colocar fim ao conflito. "Foi a delegação russa que solicitou a realização de consultas para discutir a minuta que apresentaram ontem", confirmou à Agência Efe uma fonte diplomática.   A reunião solicitada por Moscou foi convocada para 16h30 (horário de Brasília), pelo o embaixador belga Jan Grauls, que ocupa a Presidência rotativa do principal órgão da ONU. "Os russos nos comunicaram que querem realizar consultas sobre a situação na Geórgia, mas não precisaram sobre que, embora possam mencionar qualquer ponto que desejarem", disse um diplomata ocidental.   A Rússia apresentou na quarta-feira uma minuta ao Conselho de Segurança em resposta a outro texto prévio proposto pela França que, para Moscou, se desviava do contexto do plano de paz aceito pelos russos e georgianos.   O documento russo reproduz praticamente palavra por palavra os seis pontos do plano de paz elaborado pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, em nome da União Européia (UE), após sua viagem a Moscou e Tbilisi na semana passada. Ele menciona a cessação definitiva das hostilidades, o acesso da ajuda humanitária à zona de conflito e a retirada das tropas georgianas para suas bases permanentes.   A minuta também destaca a obrigação das tropas do Exército da Rússia de retornarem a suas posições anteriores ao início das hostilidades, assim como o direito dos "soldados de paz russos" de adotarem "medidas de segurança adicionais" enquanto se estabelecem mecanismos internacionais para preservar a paz.   Para Moscou, foi precisamente isso que obrigou suas tropas a permanecerem em solo georgiano dias depois do fim dos combates, apesar das críticas ocidentais que consideram a ocupação a violação da soberania territorial da Geórgia. O texto russo não menciona em nenhum ponto o respeito à soberania e à integridade territorial da Geórgia, algo que Tbilisi e as capitais ocidentais exigiram que fosse incluído em qualquer resolução da ONU sobre o conflito.   A Rússia considera que a guerra pôs em dúvida a soberania da Geórgia sobre as regiões separatistas de Abkházia e Ossétia do Sul, e que a definição de seu status futuro deve fazer parte do diálogo internacional.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGeórgiaOssétia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.