Rússia retira parte de tropas da fronteira com Ucrânia; Otan contesta

A Rússia declarou nesta quinta-feira que está retirando tropas e equipamentos militares das regiões que fazem fronteira com a Ucrânia, mas a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) disse que uma grande “força coercitiva” continua no local.

THOMAS GROVE E ADRIAN CROFT, Reuters

22 Maio 2014 | 15h47

Uma retirada de forças na divisa poderia amenizar as tensões na véspera da eleição presidencial ucraniana no domingo, que Estados Unidos e União Europeia esperam fortalecer o combativo governo central.

Moscou não cumpriu promessas anteriores para retirar as tropas da fronteira com o leste da Ucrânia, onde separatistas pró-Rússia declararam independência em algumas regiões.

A Ucrânia e seus aliados ocidentais veem as tropas como forças invasoras em potencial, dadas as declarações de Moscou de que tem o direito de intervir no seu vizinho ex-soviético para proteger os ucranianos falantes de russo.

Um general da Otan disse nesta quinta-feira que a Rússia está movendo as tropas, mas que a dimensão da manobra não está clara e que as forças próximas da fronteira continuam sendo uma ameaça em potencial.

“A força que permanece na fronteira é muito grande, é muito capaz e mantém uma postura muito coercitiva”, afirmou o general da Força Aérea dos EUA, Philip Breedlove, comandante aliado supremo da Otan na Europa, em uma entrevista coletiva à imprensa.

A aliança atlântica estimou o número de soldados russos na fronteira em 40 mil, mas Breedlove disse ser cedo demais para determinar o seu tamanho atual.

O Ministério de Defesa russo declarou nesta quinta-feira que 15 aviões de transporte e 20 trens levando pessoal e equipamento militar saíram das províncias fronteiriças de Rostov, Belgorod e Bryansk depois de finalizar exercícios militares na região.

A pasta não revelou quantas tropas estavam sendo retiradas nem quantas permanecerão.

“A movimentação de unidades é contínua rumo às estações de embarque, agora que finalizaram os exercícios planejados e testaram o preparo militar em condições reais”, informou um comunicado do ministério.

O Pentágono confirmou algum movimento de recuo das forças russas na fronteira, mas disse se tratar de uma cifra pequena até o momento e se recusou a dar estimativas.

O embaixador dos EUA na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Daniel Baer, disse que o seu país elogiaria a retirada das tropas, mas observou que a movimentação atual não é suficiente para confirmar um recuo total das forças.

Ele ainda criticou os planos da Rússia de realizar “exercícios” aéreos perto da fronteira ucraniana em 25 de maio, mesmo dia da eleição presidencial na Ucrânia.

(Reportagem adicional de Phil Stewart, em Washington)

Mais conteúdo sobre:
RUSSIA TROPAS FRONTEIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.