Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Rússia se prepara para eleger Medvedev, liberais alegam 'farsa'

Liberais russos acusaram o Kremlin nestesábado de transformar as eleições presidenciais de domingo emuma "farsa" para assegurar uma vitória esmagadora do candidatoapoiado pelo presidente Vladimir Putin. Foram proibidas campanhas de boca-de-urna na véspera davotação -- o "dia do silêncio" -- após semanas marcadas por umacampanha tediosa que causou pouca emoção nos 109 milhões deeleitores russos. Mas a oposição liberal fez um protesto final sobre avotação, que deve ser uma barbada para o primeirovice-primeiro-ministro Dmitry Medvedev, de 42 anos, que contacom o apoio de Putin e grande cobertura da mídia. Putin presidiu a Rússia durante o mais longo 'boom'econômico em uma geração, e muitos vêem a parceria de Medvedeve Putin como uma maneira de preservar a estabilidade. Os críticos de Putin -- não apenas os liberais, mas tambémos comunistas --acusam o Kremlin de perturbar os adversários eforçar milhões de trabalhadores públicos a votar com a ameaçade demissão. A maioria dos observadores ocidentais se recusou amonitorar a votação de domingo, alegando falta de cooperaçãodas autoridades. O ex-campeão mundial de xadrez e líder da oposição GarryKasparov e seus aliados submeteram uma petição a um tribunaleleitoral descrevendo a eleição como uma "farsa." "É muito importante ainda haver pessoas que acreditem que aeleição é uma farsa", disse o líder da oposição Nikita Belykh. Kasparov, discursando ao lado dele, adicionou: "Nós sabemosperfeitamente que não podemos mudar nada. Mas há coisas quedevemos fazer." A segurança estava reforçada em todo o país. O governodestacou 450.000 policiais para vigiar os locais de votação. O baixo comparecimento pode tirar o brilho da provávelvitória de Medvedev. Analistas dizem que o Kremlin querassegurar um comparecimento às urnas de pelo menos 70 porcento. "Não é uma questão de quem vai vencer, mas uma questão dequanto por cento ele (Medvedev) vai conseguir", uma autoridadedo governo, da região de Kursk no centro Rússia, disse àReuters por telefone. Operadoras de telefonia celular enviaram mensagem pedindoaos eleitores para votarem. Faixas nas ruas lembraram aspessoas da realização da votação. Candidatos de oposição foram desqualificados ou serecusaram a concorrer em protesto. Os adversários de Medvedevsão o líder do partido Comunista, Gennady Zyuganov, onacionalista pró-Kremlin Vladimir Zhirinovsky e AndreiBogdanov, um político pouco conhecido. (Reportagem adicional de Aidar Buribayev e DmitrySolovyov)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.