Rússia tenta submergir submarino para apagar incêndio

A Rússia tentou submergir um submarino nuclear que pegou fogo num estaleiro da Marinha nesta quinta-feira, depois de uma operação com helicópteros e rebocadores para controlar o incêndio que durou horas. Não houve vazamento de radiação, disseram autoridades.

GUY FAULCONBRIDGE, REUTERS

29 de dezembro de 2011 | 21h34

Imagens de TV mostraram uma gigantesca coluna de fumaça sobre o estaleiro na região de Murmansk (norte), enquanto 100 bombeiros tentavam apagar as chamas que, segundo testemunhas, atingiram 10 metros.

Funcionários da emergência disseram que as tentativas para afundar parcialmente o submarino na doca não conseguiram extinguir o fogo por completo.

Um porta-voz do Ministério da Defesa citado pela agência estatal de notícias RIA disse que o incêndio, que começou às 10h (horário de Brasília), foi controlado mais de oito horas depois.

A Rússia disse que todos os reatores nucleares foram desligados e que todas as armas foram retiradas do submarino Yekaterinburg, uma embarcação de 167 metros que ainda em julho lançou um míssil balístico num teste no mar de Barents.

"Os níveis de radiação estão normais. Ninguém ficou ferido", disse uma porta-voz do Ministério das Emergências.

Depois de horas tentando apagar as chamas, as autoridades decidiram submergir parcialmente o casco do submarino de 18.200 toneladas na doca Roslyakovo, um dos principais estaleiros do norte da Rússia, 1.500 quilômetros ao norte de Moscou.

As notícias da mídia local eram vagas, mas acredita-se que o incêndio começou numa armação de madeira que sustentava o submarino durante reparos numa doca seca.

O Yekaterinburg pode transportar até 16 mísseis balísticos, cada um com quatro ogivas.

O pior acidente com submarinos russos desde o fim da União Soviética aconteceu em 2000, quando o Kursk naufragou no mar de Barents, matando todos os 118 tripulantes.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIASUBMARINOFOGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.