Rússia vai ajudar EUA a alcançar a paz no Afeganistão--Medvedev

A Rússia está disposta a fazer a sua parte para ajudar os Estados Unidos e a Europa a alcançarem a paz no Afeganistão, disse na quinta-feira o presidente russo, Dmitry Medvedev.

REUTERS

03 de dezembro de 2009 | 16h12

"Estamos obrigados a ajudar no Afeganistão... o que os Exércitos dos EUA e da Europa estão fazendo (no Afeganistão) é a manutenção da paz. Isso é muito importante porque a ameaça para toda a Europa vinha do Afeganistão", disse Medvedev.

Falando em uma coletiva de imprensa em Roma após encontro com o premiê italiano, Silvio Berlusconi, Medvedev fez alguns de seus comentários mais positivos sobre as perspectivas de alcançar a paz no Afeganistão desde que o presidente norte-americano, Barack Obama, anunciou o aumento das tropas norte-americanas no país asiático há dois dias.

"O presidente Obama, como um aliado, me ligou e conversou comigo sobre suas novas ideias para o trabalho a ser feito no Afeganistão. Eu fiquei grato por isso. Esta é uma posição séria e estamos prontos para apoiar os esforços dos nossos aliados", afirmou.

A Rússia já permite que material de carga militar seja enviado ao Afeganistão através de seu território. Medvedev disse que seu país está disposto a ajudar o Afeganistão em seus esforços de transformar sua economia e suas forças militar e policial, sem dar detalhes.

"Haverá uma contribuição nossa, mas somente o governo de lá pode colocar ordem no seu próprio país", afirmou, acrescentando ter conversado recentemente com o presidente afegão, Hamid Karzai.

Mais de 20 países planejam enviar soldados adicionais para o Afeganistão após o aumento do compromisso dos EUA com a guerra, disse a Otan nesta quinta-feira, mas o número é bem menor que o esperado pelo governo norte-americano.

Na quarta-feira, Obama anunciou que enviará mais 30.000 soldados norte-americanos para combater a insurgência do Taliban. Washington deseja mais 7.000 homens de seus aliados.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAEUAAFEGANISTAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.