Rússia voltou a bombardear cidade na Geórgia, diz premiê

Chanceler russo pediu que a ex-república soviética assine pacto de não-agressão; Sarkozy negocia acordo

Efe, Efe

12 de agosto de 2008 | 06h22

O primeiro-ministro da Geórgia, Vladimir Gurgenidze, denunciou hoje que a aviação russa retomou os bombardeios contra a cidade georgiana de Gori (25 quilômetros ao sul da Ossétia do Sul). "A universidade e o escritório dos correios estão em chamas", disse o chefe de Governo, que acrescentou que aviões russos bombardearam também as aldeias de Tkiavi e Svaneti, nos arredores de Gori, cidade que se encontra 70 quilômetros ao leste de Tbilisi, terra natal do ex-ditador soviético Josef Stalin. Veja também Russos avançam; Geórgia recua tropas para defender capital Ouça o relato de Lourival Sant'Anna  Roberto Godoy e Cristiano Dias comentam o conflito Imagens feitas direto da capital da Geórgia Nas próximas horas, também chegará a Moscou o presidente da França, Nicolas Sarkozy, que se reunirá no Kremlin com o líder russo, Dmitri Medvedev. Sarkozy, que interrompeu suas férias, tentará convencer seu homólogo russo da necessidade de uma trégua imediata.Gurgenidze classificou como "difícil" a situação em Gori, única região da Abkházia - outra região separatista georgiana - que era controlada pelo Governo central da Geórgia.Separatistas abkhazes tomaram hoje a cidade de Azhara, centro administrativo do vale de Kodori, informou a agência russa "Interfax". A bandeira da Abkházia foi hasteada em Azhara", afirma a agência russa.O presidente da autoproclamada república da Abkházia, Serguei Bagapsh, declarou que, além de Azhara, tropas tomaram a aldeia de Chjalta. "Já controlamos a maior parte do vale de Kodori", disse o líder da região separatista, fronteiriça com a Rússia. Bagapsh declarou que as tropas abkhazes "avançam rumo à fronteira com a Geórgia". Fontes do Ministério da Defesa da Abkházia citadas pela "Interfax" expressaram certeza de que já hoje as tropas do território assumirão o controle de todo o território do vale de Kodori.Pacto de não agressãoO ministro de Exteriores russo, Serguei Lavrov, pediu hoje à Geórgia para assinar um pacto de não agressão com as regiões separatistas da Ossétia do Sul e da Abkházia, como "única saída para o conflito"."Durante meses, anos, a Rússia tentou insistentemente conseguir a assinatura de um pacto de não agressão entre Geórgia e Ossétia, entre Geórgia e Abkházia", assinalou Lavrov, em entrevista coletiva, depois de se reunir com o presidente rotativo da Osce, Alexander Stubb, chefe da diplomacia finlandesa.Lavrov acusou as chancelarias ocidentais de "não fazerem nada" para persuadir Tbilisi a assinar tal documento jurídico vinculativo. "Agora, sem esse documento, tenho certeza de que simplesmente não podemos seguir", afirmou.Além disso, assegurou que as tropas de paz georgianas não devem retornar à Ossétia do Sul, já que "cometeram o crime de disparar contra seus companheiros, com os quais serviam no contingente Pacificador".Lavrov pediu que as tropas georgianas se retirem da fronteira com a Ossétia, de modo a impedir que voltem a atacar essa região Separatista. "É preciso fazer com que vão embora de lá, de onde dispararam contra a Ossétia do Sul", disse.     Jornalista mortoUm jornalista holandês foi morto nesta terça-feira em Gori durante um bombardeio russo. Ele trabalhava para a rede de televisão RTL News.

Tudo o que sabemos sobre:
GeórgiaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.