Russos denunciam pressão de autoridades para votar

Presidente afirma que eleição será transparente; partido de Putin lidera pesquisas para cargos no Parlamento

CHRISTIAN LOWE, REUTERS

01 de dezembro de 2007 | 10h34

Estudantes na Sibéria, médicos às margens do rio Volga e funcionários de escritórios em Moscou dizem que estão sendo ameaçados com medidas disciplinares se não forem às urnas para votar na eleição parlamentar do domingo.   Veja também:Entenda as eleições parlamentares na Rússia As autoridades negam a existência de uma campanha para coagir a população a votar, e o presidente Vladimir Putin, que lidera seu partido Rússia Unida na eleição, disse esta semana que a eleição será "honesta, aberta e tão transparente quanto possível". Mas críticos do Kremlin dizem que relatos sobre patrões pressionando seus funcionários a ir às urnas confirmam a suspeita de que a votação será enviesada de maneira a garantir um grande endosso pessoal para Putin. Pelas leis russas, o voto é optativo. Membros de alto nível do Rússia Unida descrevem a eleição como referendo de apoio a Putin. Analistas dizem que o Kremlin quer uma grande participação dos eleitores --e também uma vitória para o Rússia Unida-- para que possam retratar os resultados como um voto convincente de confiança no presidente. Relatos colhidos pela Reuters e outros postados em blogs na Internet sugerem que alguns empregadores estão instruindo seus funcionários a votar no domingo --embora esse não seja um dia útil, para muitos--, e que os gerentes nos locais de trabalho pretendem verificar quais dos funcionários votaram. Uma funcionária de uma firma que aluga espaço no grande mercado interno de Gorbushkin Dvor, em Moscou, contou que um assistente de um dos gerentes do mercado instruiu o chefe dela a garantir que seus empregados compareçam ao trabalho no domingo. "O que eles disseram, basicamente, é que no dia 2 de dezembro haverá eleições para a Duma (o Parlamento), e que nossos funcionários, cerca de 70 ou 80 pessoas, devem estar aqui", disse ela. "Todo o mundo será levado de ônibus para votar, e devemos todos votar no partido Rússia Unida", disse à Reuters a funcionária, que pediu para não ser identificada. Uma gerente sênior do Gorbushkin Dvor disse que o que está sendo feito é apenas oferecer às pessoas que trabalham no domingo a opção de votar perto de seus locais de trabalho, para facilitar sua vida. "Nunca pedimos nem obrigamos ninguém a fazer nada", disse a vice-diretora Marina Rachenskaya. De acordo com muitos dos relatos, os funcionários não são instruídos a votar no Rússia Unida --apenas a ir votar. Pesquisas de opinião indicam que a maioria dos eleitores já apóia o partido de Putin.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAELEITORESPRESSIONADOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.