Russos dizem necessitar de mais 2 dias para deixar Geórgia

Representante russo reconhece que em Gori 'são vistos soldados', e que 80% da população local já retornou

Efe,

19 de agosto de 2008 | 05h41

Chefes militares russos comunicaram nesta terça-feira, 19, às autoridades georgianas que necessitam de mais dois dias para completar seu processo de retirada em várias das cidades que ainda estão sob controle russo. Veja também:Geórgia e Rússia fazem primeira troca de prisioneirosRice eleva o tom e adverte Rússia por 'jogo perigoso' com EUARússia diz que iniciou retirada de tropas da Geórgia'Um miliciano mirou o fuzil no meu peito e pulei na estrada', diz correspondente do Estado  Ouça o relato de Lourival Sant'Anna  Imagens feitas direto de Gori, na Geórgia  Godoy e Cristiano Dias comentam conflito  Entenda o conflito separatista na Geórgia  O anúncio foi feito pelo representante do presidente da Geórgia na estratégica cidade de Gori, Vladimir Vardzelashvili, em entrevista à emissora de rádio georgiana Imedi. Os russos necessitarão de mais 48 horas antes de abandonar tanto Gori, que se encontra perto da fronteira com a separatista Ossétia do Sul, como Kareli, Kaspi e Jashuri. No entanto, Vardzelashvili reconheceu que nas ruas de Gori "são vistos menos soldados russos", e que cerca de 80% da população local já retornou a seus lares. Segundo a Imedi, militares russos abriram fogo nesta terça-feira contra as instalações de um recém-inaugurado acampamento juvenil na localidade de Ganmujuri, perto da região separatista da Abkházia. Além disso, segundo dados do Ministério do Interior georgiano, as tropas russas seguem ocupando as cidades de Gori, perto da Ossétia do Sul, e de Senaki e Zugdidi, não muito distantes da fronteira com a Abkházia. Em Moscou, o subchefe do Estado-Maior Geral das Forças Armadas da Rússia, Anatoli Nogovitsin, anunciou nesta segunda-feira o início da "retirada das tropas de paz e das forças de apoio na região". No entanto, em seguida contemporizou: "Posso assegurar quando chegará o ano novo, mas não posso dar uma data exata para a retirada de nossas tropas da zona de conflito". "Só posso dizer que não sairemos tão rápido como viemos", expressou. A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, que assistirá nesta terça-feira em Bruxelas à reunião extraordinária da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) sobre a Geórgia, pediu à Rússia que cumpra com sua palavra e retire as tropas de território georgiano.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGeórgiaCáucaso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.