Sangue em quarto não era de Madeleine, diz 'Times'

Segundo jornal, DNA revelou que amostra pertencia a homem do norte da Europa

BBC Brasil, BBC

16 de agosto de 2007 | 05h49

Uma reportagem publicada pelo jornal britânico The Times nesta quinta-feira, 16, afirma que exames de DNA indicaram que o sangue encontrado no quarto onde Madeleine McCann estava dormindo na noite em que desapareceu não era dela. O Times diz que o laudo técnico de quatro páginas conclui que o sangue provavelmente pertence a um homem branco do "subgrupo norte europeu", mas o resultado tem apenas 72% de precisão devido à falta de qualidade da amostra. "A conclusão de que o sangue pertence a um homem põe fim a duas semanas de relatos de que os traços provariam que Madeleine havia sido morta no apartamento onde passava férias no Algarve", disse a reportagem. As amostras de sangue colhidas da parede do quarto foram encontradas por cães farejadores britânicos e enviadas para um laboratório em Birmingham, na Inglaterra. "Investigadores já suspeitavam que o sangue tivesse vindo de um homem que se feriu enquanto estava hospedado no apartamento de dois quartos depois que Madeleine desapareceu. Isso explica por que o sangue não foi descoberto quando a polícia portuguesa examinou o apartamento nas primeiras semanas de investigação", afirmou o jornal. O apartamento no Ocean Club Resort, na Praia da Luz, ficou isolado pela polícia durante cinco semanas depois do desaparecimento da menina de 4 anos, mas depois foi devolvido aos proprietários. De acordo com a reportagem do Times, a descoberta renova as esperanças de Kate e Gerry McCann, que continuam dizendo acreditar que sua filha será encontrada viva. Madeleine desapareceu do quarto há 105 dias, enquanto os pais jantavam num restaurante do resort.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.