Ron Sachs/Efe
Ron Sachs/Efe

Sarkozy anuncia que França não renunciará a armas nucleares

Segundo presidente, 'enquanto mundo não for um local seguro', arsenal será mantido

12 de abril de 2010 | 23h17

Efe

 

WASHINGTON- O presidente da França, Nicolas Sarkozy, garantiu nesta segunda-feira, 12, que não renunciará às armas nucleares até que esteja certo de que o mundo é um lugar seguro.

 

Veja também:

linkCanadá enviará urânio enriquecido aos EUA

linkUcrânia vai abandonar estoque de urânio altamente enriquecido

especialOs últimos eventos da crise nuclear

linkSaiba mais sobre o TNP

linkO que está em jogo no encontro

 

"Não posso abandonar as armas nucleares enquanto não tenha certeza de que o mundo é um lugar estável e seguro", afirmou Sarkozy em uma entrevista ao canal CBS.

 

Sarkozy está em Washington para participar da Conferência sobre Segurança Nuclear, a maior assembleia de líderes mundiais realizada nos Estados Unidos desde 1945, da qual participam 47 países. Esta é a segunda viagem que o governante faz à capital americana em duas semanas.

 

"Não posso colocar em perigo a segurança do meu país", disse o líder, que destacou que o papel de um chefe de Estado "é garantir a segurança de seu país e o destino de seus cidadãos".

 

Sarkozy sinalizou que seu país tem menos armas do que a Rússia e a China. "Paramos de fazer testes nucleares (...), anunciamos quantas ogivas temos, e que as reduzimos consideravelmente", disse. "Creio que, se for mais além, eu poderia colocar em perigo a segurança do país", considerou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.