Jacques Brinon/AP
Jacques Brinon/AP

Sarkozy assume liderança em pesquisa após ataques na França

Estudo mostra que Sarkozy venceria com 30 por cento dos votos no primeiro turno

REUTERS

22 de março de 2012 | 10h34

PARIS - A primeira pesquisa de opinião desde que um atirador matou quatro pessoas em uma escola judaica na segunda-feira mostrou que o presidente Nicolas Sarkozy venceria por pouco o candidato socialista, François Hollande, no primeiro turno das eleições presidenciais no mês que vem.

 

Veja também:

linkSuspeito parou de fazer contato ontem à noite

link IP de computador entregou localização de Merah

link Atirador francês fugiu de prisão no Afeganistão

link Mohammed Merah era investigado há anos

Sarkozy e Hollande suspenderam suas campanhas após três crianças e um rabino serem mortos a tiros em uma escola em Toulouse, sudoeste da França, ataque que aconteceu depois do assassinato de três soldados no início do mês.

Uma pesquisa conduzida pela CSA na segunda e terça-feira mostrou que Sarkozy venceria com 30 por cento dos votos no primeiro turno e Hollande ficaria com 28 por cento, considerando que ambos os rivais estavam lado a lado na semana passada.

Apesar da liderança de Sarkozy no primeiro turno, a pesquisa mostrou que Hollande ainda estava oito pontos percentuais à frente no segundo turno, marcado para 6 de maio, estável em relação à semana anterior.

Os tiroteios realizados por um franco-argelino em nome da Al Qaeda colocou Sarkozy em seu papel preferido de chefe-protetor e lançou um novo foco na segurança, ponto tradicionalmente forte para o presidente.

A pesquisa da CSA foi a primeira a mostrar Sarkozy com uma liderança de dois pontos no primeiro turno sobre Hollande.

Cerca de 1.000 eleitores foram questionados pela enquete da CSA, que foi realizada para a BFM TV, rádio RMC e o jornal gratuito 20 minutes.

(Reportagem de Leigh Thomas)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCAPESQUISAELEICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.