Sarkozy chega à Geórgia para apresentar plano de cessar-fogo

Após aprovar trégua com a Rússia, líder francês se encontra com presidente georgiano em Tbilisi

AP e Efe,

12 de agosto de 2008 | 16h57

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, chegou nesta terça-feira, 12, a Tbilisi, para apresentar ao chefe de Estado georgiano, Mikhail Saakashvili, o plano da União Européia (UE) para resolver o conflito entre Rússia e Geórgia pela Ossétia do Sul. Sarkozy, que ocupa a presidência temporária da União Européia (UE), endossou o acordo mais cedo com o presidente russo, Dmitri Medvedev, que anunciou nesta terça-feira o fim das operações militares de Moscou na Geórgia.   Veja também: Ouça o relato de Lourival Sant'Anna  Imagens feitas direto de Gori, na Geórgia  Georgianos protestam contra ofensiva russa  Geórgia processará Rússia por limpeza étnica Refugiados chegam a 100 mil, diz ONU Godoy e Cristiano Dias comentam conflito  Entenda o conflito separatista na Geórgia   O líder francês foi recebido no aeroporto por Saakashvili, com quem foi à chancelaria presidencial para realizar negociações. Tbilisi ainda recebeu os presidentes da Polônia, Lituânia, Estônia e Ucrânia, e o primeiro-ministro da Letônia.   Pelo menos 100 mil pessoas permaneciam reunidas diante da sede do Parlamento georgiano na tarde desta segunda-feira, para reivindicar o fim da "agressão" da Rússia contra a Geórgia e pedir apoio à União Européia.   Sarkozy disse à imprensa que "a declaração do fim das hostilidades por parte da Rússia é uma boa notícia". O acordo, anunciado em entrevista coletiva conjunta pelos líderes da França e Rússia, estipula a renúncia ao uso da força, o fim de todas as ações militares, o livre acesso à ajuda humanitária e o retorno das Forças Armadas da Geórgia a seu lugar habitual.   Além disso, segundo o acordo as tropas russas serão retiradas à linha que existia antes do início do conflito, e será iniciado um debate internacional para decidir o futuro status das separatistas Abkházia e Ossétia do Sul.   Mais combates   Apesar da trégua, na cidade georgiana de Gori, no centro do país, um prédio do correio local e uma universidade ficaram em chamas após o bombardeio de caças russos contra prédios governamentais e um mercado.   Segundo oficiais georgianos, seis pessoas morreram nos ataques. Entre as vítimas estariam uma criança e um jornalista da emissora de televisão RTL.   O vice-chefe das forças russas Anatoly Nogovitsyn, entretanto, insistia que a Rússia não atacou a cidade. Ele confirmou que suas tropas tomaram o aeroporto georgiano de Sekani, a 50 quilômetros de Abkházia, outra província separatista.   A Rússia acusa a Geórgia de matar mais de 2 mil pessoas - a maior parte civis - na operação militar contra Ossétia do Sul. Os números não podem ser confirmados de forma independente, mas as vítimas também relatam que há milhares mortos na região.

Tudo o que sabemos sobre:
GeórgiaRússiaOssétia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.