Sarkozy e Carla Bruni vencem processo contra empresa aérea

Primeira-dama receberá indenização de 60 mil euros e presidente será compensado com 1 euro

BBC BRASIL

05 de fevereiro de 2008 | 17h56

O presidente francês Nicolas Sarkozy e sua nova mulher, a ex-modelo e cantora Carla Bruni, venceram o processo contra a companhia aérea irlandesa Ryanair pelo uso de uma imagem do casal sem autorização. O anúncio, divulgado em jornais franceses na semana passada, mostrava Bruni ao lado de Sarkozy, com um balão de pensamento em cima da sua cabeça em que se lê "Com a Ryanair, toda a minha família pode ir ao casamento".  A Justiça francesa determinou o pagamento de uma indenização de 60 mil euros (cerca de R$ 155 mil) a Carla Bruni. A ex-modelo havia pedido 500 mil euros (R$ 1,3 milhão), alegando que a quantia seria o pagamento normal que ela receberia para aparecer em uma campanha publicitária.  O presidente Nicolas Sarkozy recebeu uma indenização no valor simbólico de um euro, que foi o que ele pediu à Justiça.  Humor  A Ryanair afirmou em sua página na internet que aceita a decisão da Justiça francesa e já recebeu a ordem de publicar um pedido oficial de desculpas no mesmo jornal em que a propaganda foi veiculada, o Le Parisien.  "Devido à publicidade extraordinária gerada por apenas um anúncio, instruímos nosso advogados a escrever para o gabinete do presidente Sarkozy, oferecendo um pagamento semelhante, de 60 mil euros, a qualquer instituição de caridade francesa escolhida pelo presidente", disse Peter Sherrard, chefe do setor de comunicação da Ryanair.  A companhia aérea também já havia afirmado que a propaganda não seria mais veiculada.  Quando a propaganda foi divulgada no Le Parisien e gerou toda a polêmica, a Ryanair alegou que o anúncio apenas tratava de forma bem-humorada de um assunto que é de interesse público.  A iniciativa publicitária esbarrou, no entanto, nas leis francesas de privacidade e exploração de imagem, que são consideradas extremamente rígidas.

Tudo o que sabemos sobre:
SARKOZYCARLA BRUNIRYANAIR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.