Sarkozy e Carla comemoram casamento no Palácio de Versalhes

Casal celebra união com jantar íntimo; sogra do presidente diz que filha deve ter espaço no local para atividades

Efe e Associated Press,

03 de fevereiro de 2008 | 13h59

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, e seu nova esposa, a cantora italiana Carla Bruni, celebraram seu casamento com um jantar no Palácio de Versalhes, informa a imprensa francesa neste domingo, 3.   Sarkozy e Carla, que não viajarão em lua-de-mel, se casaram no sábado, antes do meio-dia, numa cerimônia no Palácio do Eliseu acompanhada por parentes e amigos próximos.   Para testemunhar o casamento, celebrado pelo administrador regional do 8º distrito de Paris, François Lebel, Sarkozy convidou Nicolas Bazire, um colaborador de longa data, e Mathilde Agostinelli, responsável pelo setor de comunicação da Prada na França. Carka teve como testemunhas as atrizes Marine Delterme e Farida Khelfa, esta última também ex-modelo.   Mais tarde, cerca de 30 pessoas participaram de um jantar comemorativo na La Lanterne, um pavilhão do fim do século XVIII colado ao Palácio de Versalhes.   Em sua edição deste domingo, o periódico Le Journal du Dimanche diz que o casal fez um requerimento especial às autoridades para que a cerimônia não fosse divulgada, já que o procedimento normal é o anúncio público dos casamentos para que pessoas que tenham objeções possam manifestá-las.   Por sua vez, o Le Parisien trouxe neste domingo declarações de Marisa Borini, mãe da nova "primeira-dama" da França. Ao jornal, a sogra de Sarkozy declarou estar "muito feliz" com casamento e que sua filha merece ter seu próprio espaço no Palácio, além de um tempo à parte para poder dar continuidade à sua carreira musical.   Por causa da atribulada agenda oficial do presidente, que inclui uma viagem de algumas horas à Romênia na segunda-feira, a inauguração de um trem de alta velocidade na terça-feira e diversos atos públicos em Paris entre quarta e sexta, Carla e o marido não viajarão em lua-de-mel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.