Sarkozy promete forte política de armas nucleares

O presidente francês NicolasSarkozy anunciou nesta sexta-feira que vai manter um forteprograma de armas nucleares para defender seu país contraameaças como a possibilidade de um Irã com capacidadesatômicas. Falando durante o lançamento do quarto submarino com armasnucleares da França, o "Terrible" ("Terrível"), Sarkozy afirmouque seu país enfrenta novas ameaças de segurança, incluindo oIrã, e precisa ser capaz de responder a ataques. "Todo mundo precisa estar ciente hoje que mísseis nuclearespodem alcançar a Europa em menos de meia hora", disse Sarkozyem discurso no porto de Cherbourg, no norte da França. Apesar de apenas as grandes potenciais terem essesarmamentos hoje, países na Ásia e no Oriente Médio estãoconduzindo uma "marcha forçada" para adquirir essas capacidadesmilitares, disse o presidente francês. "Eu estou me referindo em particular ao Irã. O Irã estáampliando o alcance de seus mísseis enquanto graves suspeitaspairam sobre seu programa nuclear. A segurança da Europa estáem jogo", afirmou Sarkozy. O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidasaprovou três resoluções contra o Irã depois que o paísfracassou em reduzir temores internacionais de que estátentando desenvolver armas nucleares sob a cobertura de umprograma civil de geração de energia atômica. O Irã nega as acusações, afirmando que apenas quer produzireletricidade. O país também continua a expandir seu programa demísseis de longo alcance e diz que pode atingir alvos a 2 milquilômetros de distância, elevando as preocupações do Ocidente. "A comunidade internacional precisa estar unida, acomunidade internacional precisa ser ativa. Porque queremospaz, não podemos ser fracos com aqueles que violam as normasinternacionais", disse Sarkozy em uma referência velada àrepública islâmica. "Manter as competências necessárias para a dissuasão nomais alto nível é um objetivo fundamental para nossasegurança", disse o presidente francês, acrescentando: "Todosaqueles que ameaçarem atacar nossos interesses vitais vão seexpor a uma resposta severa da França." Ele também propôs negociações imediatas para um tratado queproíbe a produção de mísseis terra-terra de curto e médioalcances, uma categoria que inclui os mísseis Scud.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.