Sarkozy se dipõe a ir pessoalmente buscar Ingrid Betancourt

O presidente Nicolas Sarkozydisse na quinta-feira, após a divulgação de depoimentosalarmantes sobre o estado de saúde de Ingrid Betancourt, queestá pronto a ir buscar a refém franco-colombiana na América doSul se as Farc o exigirem. Na Cidade do Cabo, na África do Sul, onde se encontra emviagem oficial, Sarkozy lançou um apelo aos rebeldescolombianos pela libertação imediata de Betancourt, que é refémhá mais de seis anos. Ele destacou a importância do papel do presidentevenezuelano, Hugo Chávez, mediador em várias libertações dereféns, e anunciou que ao longo do dia conversaria com opresidente colombiano Álvaro Uribe. "Apelo às Farc para que libertem Ingrid Betancourtimediatamente. É uma questão de vida ou morte, trata-se de umaquestão de urgência humanitária. Eles não podem deixar essamulher morrer", disse Sarkozy em coletiva de imprensa. "O destino de Ingrid depende de um gesto humanitário e nãode um acordo humanitário. Hoje está claro que é uma corridacontra a morte que começou. Cada um está diante de suaspróprias responsabilidades." De acordo com o presidente francês, "haverá aqueles queterão feito tudo para salvar Ingrid e haverá aqueles quecarregarão a responsabilidade por sua morte". Após a libertação de quatro reféns entregues naquarta-feira a uma delegação venezuelana, Sarkozy saudou "oenvolvimento e os esforços" de Hugo Chávez e pediu a ele "quefaça uso de toda sua influência para salvar Ingrid Betancourt". "Eu ouvi o apelo que ele fez às Farc ontem à noite. Eu aretransmito com força. Conversei com ele [Chávez] e estoupronto, como deseja o presidente Chávez, se esta for umacondição para a libertação de Ingrid Betancourt, a ir eu mesmoà fronteira entre a Venezuela e a Colômbia para buscá-la, seessa for uma condição imposta pelas Farc", acrescentou. "Espero que todos compreendam que necessitamos também dopresidente Chávez, e eu o agradeço muito sinceramente pelo quetem feito. Terei oportunidade de falar hoje mesmo com opresidente Uribe", disse. "Não podemos esperar mais. A França está engajada em buscarum acordo humanitário uma vez que Ingrid Betancourt estejalivre", declarou ainda Sarkozy. O presidente falou dos depoimentos de dois refénslibertados na quarta-feira, segundo os quais Ingrid Betancourtestá "muito doente" e sofreu maus-tratos. (Por Emmanuel Jarry)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.