Scotland Yard se desculpa pelos 'erros' no caso Jean Charles

Polícia diz em comunicado que queixas da família, acusando oficiais de mentirem, eram 'infundadas'

Efe, Reuters e Associated Press,

02 de agosto de 2007 | 14h58

A Polícia Metropolitana de Londres (Scotland Yard) se desculpou nesta quinta-feira, 2, pelos "erros de comunicação interna e externa" cometidos ao dar informações equivocadas sobre a morte do brasileiro Jean Charles de Menezes.   Veja também: Chefe de polícia é inocentado Relatório confirma falhas graves no caso Família critica investigação da Scotland Yard Cronologia do caso Jean Charles de Menezes   Foi assim que a Scotland Yard reagiu a uma investigação oficial que acusou o corpo de polícia de "graves deficiências" na gestão da informação sobre a morte de Jean Charles, de 27 anos. Ele foi assassinado com sete tiros na cabeça disparados por policiais quando entrava em uma composição do metrô na parte sul de Londres, em 22 de julho de 2005.   Os agentes teriam o confundido com Hussein Osman, um dos quatro homens condenados no mês passado pela tentativa de detonar explosivos no sistema de transporte público da capital britânica um dia antes de o brasileiro ser morto.   O relatório da Comissão Independente de Queixas à Polícia (IPCC), publicado nesta quinta-feira, afirma que Andy Hayman, a maior autoridade do país na área de combate ao terrorismo, sonegou informações a colegas, deixando de contar-lhes, no dia do ocorrido, que um inocente havia sido baleado. Isso teria provocado a divulgação das informações equivocadas.   Ian Blair inocentado   Ainda assim, o órgão inocentou Ian Blair, o chefe da Scotland Yard, da acusação de mentir. Blair teria se pronunciado com base nas informações passadas por Hayman.   O IPCC começou a avaliar o caso depois que parentes de Jean Charles acusaram Blair de divulgar informações falsas sobre as circunstâncias envolvendo a morte do brasileiro.   Mas, em seu comunicado desta quinta-feira, a Scotland Yard classifica as queixas da família do brasileiro como "infundadas" - com a única exceção do comportamento de Hayman.   Ainda assim, a polícia admite que "a Polícia Metropolitana poderia ter agido melhor". Segundo a Scotland Yard, a morte do brasileiro foi "uma tragédia absoluta"   A família de Jean Charles diz não acreditar que Blair soubesse tão pouco. "Que tipo de chefe é ele?", questionou Alex Pereira, um primo. "Ele está ali, mas não vê nada, não ouve nada."   "Ninguém foi responsabilizado por nada, ninguém será processado, a polícia se livrou", comentou Patrícia Armani da Silva, uma prima. "Isso é muito injusto e vergonhoso."   Mentira   Segundo a investigação do IPCC, o chefe do serviço de contraterrorismo da Polícia Metropolitana "mentiu" para a opinião pública ao não informar a tempo seus superiores, entre eles Ian Blair, de que os policias tinham matado um inocente.   No mesmo dia da execução, Hayman disse uma associação de jornalistas que Jean Charles não tinha ligação com as tentativas de ataque do dia anterior. Ainda assim, a mesma informação não teria sido passada a Blair.   "Parece que ele, intencionalmente, reteve tanto a informação de que havia conversado com a Associação de Repórteres da Área Criminal quanto a informação sobre o conteúdo dessa conversa", afirma o relatório do IPCC.   Naquela noite, Hayman permitiu a divulgação de um comunicado no qual se esclarecia haver dúvidas sobre a identidade do homem morto. "As ações de Hayman fizeram com que informações imprecisas e enganosas fossem divulgadas", afirmou o documento.   Terror em Londres   Duas semanas antes da morte de Jean Charles, quatro britânicos islâmicos haviam realizado, no sistema de transporte público de Londres, o primeiro atentado suicida ocorrido na parte ocidental da Europa, matando 52 pessoas.   No ano passado, promotores britânicos decidiram que nenhum policial responderia criminalmente pela morte de Menezes. Em vez disso, determinaram que a polícia londrina seja processada como um todo devido ao fato. ver

Tudo o que sabemos sobre:
Jean Charles de MenezesReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.