Ségolène deve tentar liderança do Partido Socialista francês

Candidata derrotada por Nicolas Sarkozy em 2007 pretende concorrer à Presidência nas eleições de 2012

Efe,

17 de maio de 2008 | 10h25

A socialista derrotada por Nicolas Sarkozy nas últimas eleições presidenciais na França, Ségolène Royal, já é oficialmente candidata à liderança de seu partido, que será decidida no Congresso desta formação em novembro.   Veja também:  Em baixa, Sarkozy completa um ano no poder   Ségolène afirma há meses, com vistas às eleições presidenciais francesas de 2012, seu desejo de suceder seu ex-companheiro sentimental François Hollande, que deixará o cargo de primeiro-secretário do PS no Congresso de novembro, em Reims. Desde sua derrota para o conservador Nicolas Sarkozy no pleito pelo Palácio do Eliseu, há um ano, ela se comportou como chefe da oposição, e quer encarnar "uma concepção da renovação do socialismo na França e no mundo".   "Se os militantes decidirem assim e acreditarem que é útil para o Partido Socialista (PS), aceitarei com alegria e determinação assumir esta formosa missão de chefe do partido", disse Ségolène diante de cerca de 400 militantes reunidos ontem à noite em um bairro popular de Paris.   A atual presidente da região de Poitot-Charentes disse que emoldurou sua candidatura na "continuidade da esperança gerada pela campanha presidencial" de 2007. No entanto, para conseguir brigar novamente pelo Palácio do Eliseu Ségolène terá de enfrentar a concorrência na liderança do PS de Bertrand Delanoë, reeleito prefeito de Paris em março.   Uma recente pesquisa mostra que Delanoë é o favorito dos franceses e dos simpatizantes socialistas para liderar o PS e eventualmente ocupar a chefia do Estado. Na enquete, Delanoë foi citado como preferido por 52% dos simpatizantes do PS em uma disputa direta contra Ségolène, que foi lembrada por 40%.   Entre todos os franceses, a margem é ainda maior, com 59% para o prefeito de Paris, contra 28% para a ex-candidata presidencial. EFESégolène Royal confirma candidatura à chefia do Partido Socialista.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaSégolène Royal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.