Senado russo aprova suspensão do Tratado de Armas

Medida é resposta aos planos americanos de instalar um sistema de defesa antimísseis no Leste Europeu

Efe,

16 de novembro de 2007 | 13h13

O Senado da Rússia aprovou nesta sexta-feira, 16, por unanimidade uma lei que suspende a vigência do Tratado de Forças Armadas Convencionais na Europa, considerado um dos pilares da segurança no continente europeu. Os senadores ratificaram o projeto de lei que referenda o decreto do presidente russo, Vladimir Putin, sobre a suspensão do cumprimento do Face pela Rússia, decisão que se tornará efetiva no dia 12 de dezembro. Ao assinar o decreto, o chefe do Kremlin argumentou sua decisão com "as extraordinárias circunstâncias que afetam a segurança da Federação Russa e que exigem a adoção de medidas improrrogáveis", em referência aos planos dos Estados Unidos de posicionar elementos de seu escudo antimísseis na Europa. Na carta de apresentação do projeto de lei, Putin assinalou que a suspensão do Tratado é necessária porque o documento "já não corresponde às novas realidades político-militares na Europa e, portanto, não garante no nível devido os interesses da segurança militar da Federação Russa". O comitê de Defesa do Senado assinalou em seu relatório que "a suspensão do cumprimento do Tratado não representa a denúncia definitiva desse tratado pela Rússia". "A Rússia manterá a moratória sobre o cumprimento do Face até que todos os países da Otan ratifiquem o Acordo de Adaptação (assinado em 1999 em Istambul, na cúpula da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa)", acrescenta o documento, citado pela agência Interfax. O Senado russo aprovou a suspensão do tratado depois que o Parlamento Europeu pediu às autoridades russas para que reconsiderassem a decisão.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.