Separatistas da Abkházia preparam mobilização de reservistas

Também continua a operação para expulsar georgianos do desfiladeiro de Kodori

EFE

10 de agosto de 2008 | 04h28

O regime separatista da Abkházia, cujas tropas entraram neste domingo na faixa de segurança desmilitarizada ao longo da fronteira com a Geórgia, decretará a mobilização geral de reservistas, anunciaram fontes oficiais. Fontes do Governo abkházio disseram que o presidente Serguei Bagapsh acaba de convocar uma reunião extraordinária do Conselho de Segurança e nas próximas horas decretará a mobilização geral. As forças do regime separatista da Abkházia entraram no sábado no distrito fronteiriço de Gali, região desmilitarizada habitada por georgianos e controlada pelos "capacetes azuis" russos, que apesar de seu mandato não impediram o avanço Abkházio. Também continua a operação abkházio-russa para expulsar as forças georgianas do desfiladeiro de Kodori, habitado por georgianos e fiel ao Governo da Geórgia. Em conversa por telefone, Merab Kishmaria, ministro de Defesa abkházio, admitiu que de trata de uma "operação conjunta" com as tropas russas, mas se negou a dizer se se trata de "capacetes azuis" ou forças regulares. As posições georgianas em Kodori são bombardeadas pela artilharia, aviões e foguetes. Segundo dados oficiais, até há pouco tempo os separatistas abkházios só dispunham alguns aviões de treino de fabricação tcheca, armados com metralhadoras e bombas de fabricação caseira.  Ao longo de toda a guerra de secessão na Abkházia, de 1992 a 1995, as forças abkházias, apoiadas pela aviação e unidades regulares russas, não conseguiram vencer a resistência dos montanheses de Kodori. Agora, aparentemente, quando a Geórgia se vê envolvida no conflito da Ossétia do Sul, onde de novo enfrenta tropas regulares russas, as autoridades abkházias decidiram que chegou o momento de se apoderar do último território da Abkházia que continua fiel a Tbilisi e onde está o "Governo abkházio"que a Geórgia considera legítimo.

Tudo o que sabemos sobre:
Geórgia, Abkházia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.