Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Sérvia acusa líderes de Kosovo por 'crime contra a ordem'

Governo sérvio tenta impedir reconhecimento internacional do novo Estado europeu após independência

Agências internacionais,

18 de fevereiro de 2008 | 09h02

O governo da Sérvia acusou formalmente nesta segunda-feira, 18, os três líderes de Kosovo que proclamaram a independência do país no domingo. Eles responderão por "crime contra a ordem constitucional e a segurança da Sérvia" por participarem da proclamação de um "falso Estado" em território sérvio. Veja também:Kosovo luta pelo reconhecimento internacionalGuterman: Kosovo independente faz o mundo pisar em ovos  Independência aumenta abismo entre Rússia e OcidenteEntenda o que está em jogo em KosovoMapa: a disputa dos Bálcãs  O ministro do Interior sérvio anunciou as acusações um depois que o presidente Fatmir Sejdiu, o primeiro ministro Hashim Thaci e o porta-voz do Parlamento kosovar Jakup Krasniqi declararam a província separatista independente da Sérvia. Belgrado ainda tentará nesta segunda-feira bloquear o reconhecimento diplomático da proclamação do novo Estado. Um dia depois da declaração unilateral de independência de Kosovo, uma União Européia dividida se reúne nesta segunda-feira em Bruxelas para debater sobre o possível reconhecimento do novo país balcânico. A maioria dos 27 países do bloco apóia o passo dado pelo primeiro-ministro de Kosovo, Hashim Thaci, apesar da oposição direta da Sérvia e da Rússia, que vem tentando, sem sucesso, que o Conselho de Segurança da ONU aprove a anulação da declaração kosovar.  França, Alemanha, Reino Unido e Itália, os quatro maiores membros da UE, poderiam ser os primeiros a reconhecer a independência, com declarações oficiais realizadas por seus ministros do Exterior durante a reunião desta segunda-feira. Na avaliação do ministro de Exterior de Portugal, Luis Amado, a independência de Kosovo já é aceita "implicitamente" pela UE desde 2006, quando Bruxelas aprovou o plano de independência elaborado pelo ex-presidente finlandês Marti Athisaari, enviado especial da ONU à então província sérvia.  Precedente  No entanto, seis países membros já anunciaram que não reconhecerão o novo Estado sem uma prévia resolução da ONU. Espanha, Grécia, Chipre, Romênia, Bulgária e Eslováquia temem que o caso de Kosovo possa servir de precedente para outras regiões separatistas no mundo e em seus próprios territórios.  O governo do País Basco - região autônoma da Espanha onde atua o grupo separatista ETA - divulgou um comunicado, no domingo, referindo-se a Kosovo como "um novo exemplo de vigência do direito democrático à livre determinação modelado na legislação internacional".  A Grécia se colocou ao lado de Chipre, que pretende evitar possíveis problemas com o norte da ilha, ocupado pela Turquia desde 1974. Já na Romênia, há apreensão em relação a uma minoria separatista pró-russa na Moldávia, ao leste do país.  Ao mesmo tempo, a Rússia defende que o reconhecimento de um Kosovo independente abriria espaço para reivindicações semelhantes por parte das repúblicas autônomas de Abkázia e Ossétia do Sul, na Geórgia. Para o embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, "não está claro qual poderia ser o fundamento legal para o reconhecimento dessa declaração unilateral de independência".  Ao chegar à reunião em Bruxelas, o alto representante da UE, Javier Solana, voltou a pedir "responsabilidade" a todas as partes em Kosovo. Em relação ao reconhecimento da independência, a UE deu carta branca a seus países membros e não se espera uma posição comum do bloco.  Mas os ministros do Exterior europeus deverão assinar nesta segunda-feira uma declaração na qual defendem que o antigo status de Kosovo é "inaceitável" e que a UE apóia "um Kosovo democrático e multiétnico" em que (a UE) pretende ter "um papel de liderança" para ajudar a estabelecer a democracia. Nessa reunião o bloco deverá concordar apenas com a missão de 1,8 mil policiais e juízes que pretende enviar nos próximos dias para substituir a missão da ONU que administra a antiga província sérvia desde 1999. (Com BBC Brasil) 

Tudo o que sabemos sobre:
SérviaKosovoindependência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.