Sérvia indicia nove pessoas por mortes de Kosovo

A Sérvia indiciou nove ex-paramilitares pelas mortes de 43 pessoas de etnia albanesa durante o conflito de Kosovo (1998-99), informou a promotoria de crimes de guerra do país neste sábado.

REUTERS

11 de setembro de 2010 | 17h44

A iniciativa parece ser um sinal da determinação da Sérvia de resolver questões da guerra para se unir à União Europeia.

O início do processo legal contra as atrocidades cometidas por sérvios durante as guerras dos anos 1990 na Croácia, Bósnia e Kosovo (antiga província da Sérvia) é uma condição essencial para que Belgrado acelere seu pedido para ingressar na UE.

Nove homens que serviram em uma unidade paramilitar conhecida com Os Chacais foram indiciados pelas mortes dos civis de etnia albanesa na vila de Cuska, em Kosovo, em 14 de maio de 1999, segundo a Promotoria Especial de Crimes de Guerra, sediada em Belgrado. Os homens foram detidos em março.

"Os réus demonstraram imensa crueldade (...) frequentemente esvaziando vários cartuchos nas costas de suas vítimas. Depois, enterraram os corpos para esconder provas e impedir a identificação das vítimas", disse a nota.

O indiciamento foi resultado da cooperação entre a Promotoria e a Eulex, a missão judicial e policial da UE em Kosovo, disse a Eulex em nota.

Os Chacais lutaram ao lado das forças de segurança sérvias em Kosovo. Eles também estão envolvidos em estupros, espancamentos, saques e incêndios de casas e propriedades, afirma a nota.

(Por Aleksandar Vasovic)

Tudo o que sabemos sobre:
SERVIAKOSOVO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.