Sérvia pede à ONU saída dialogada ao litígio com Kosovo

Tribunal declarou independência legal; Belgrado se opõe à secessão do território

Efe

28 de julho de 2010 | 12h24

BELGRADO - A Sérvia propôs nesta quarta-feira, 28, à Assembleia Geral das Nações Unidas uma resolução na qual pede apoio a uma saída dialogada do impasse sobre Kosovo e reitera sua oposição à independência unilateral desse território.

O documento dessa solicitação faz parte de atividades diplomáticas anunciadas pela Sérvia depois de a Corte Internacional de Justiça (CIJ) argumentar na semana passada que a proclamação da independência de Kosovo não violou o direito internacional, uma decisão que significou um grande revés para Belgrado.

"A secessão unilateral não é uma forma aceitável para solucionar questões territoriais", assinala o texto do documento, entregue hoje à Assembleia Geral pela missão da Sérvia na ONU.

O documento pede às partes envolvidas "que encontrem uma solução mutuamente aceitável de todos os assuntos abertos mediante diálogo pacífico, em interesse da paz, segurança e cooperação na região", segundo o texto da resolução, ao qual a Agência Efe teve acesso.

A resolução foi apresentada depois das consultas com vários Estados, inclusive todos os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China), informa Ministério de Exteriores sérvio em comunicado.

A nota acrescenta que o chefe da diplomacia sérvia, Vuk Jeremic, viajou hoje a Nova York, onde falará com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, sobre a situação em Kosovo depois do parecer expresso pela CIJ no último dia 22.

Jeremic também irá a um encontro do Movimento dos Não-Alinhados e se reunirá com embaixadores de países-membros da ONU para apresentar a posição da Sérvia e os próximos passos de sua estratégia para defender a integridade territorial e a soberania, indica o comunicado.

A nota assinala que, para a próxima semana, está prevista uma sessão do Conselho de Segurança da ONU dedicada à questão de Kosovo.

Após a decisão da CIJ, as autoridades sérvias mantiveram a firme posição de rejeitar a autoproclamada independência do território e anunciaram que pedirão o apoio internacional para continuar negociando uma saída diplomática ao conflito.

Belgrado insiste que os albano-kosovares não tiveram direito à secessão e que a CIJ evitou se pronunciar a respeito.

A ofensiva diplomática sérvia se centrará agora em prevenir novos reconhecimentos da independência do Kosovo, proclamada por Pristina em 17 de fevereiro de 2008.

Até agora, 69 países, entre eles EUA e a maioria de membros da União Europeia, reconheceram a soberania de Kosovo, enquanto nações como Brasil, Espanha, Rússia, China e Índia se negaram a fazê-lo.

Tudo o que sabemos sobre:
SérviaKosovo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.