Sérvia prende foragido de crimes de guerra na Bósnia

Stojan Zupljanin é acusado pela perseguição de muçulmanos e croatas durante a guerra, entre 1992 e 1995

Efe,

11 de junho de 2008 | 10h28

O suspeito de crimes de guerra servo-bósnio Stojan Zupljanin foi capturado nesta quarta-feira, 11, perto de Belgrado, informou o porta-voz da Procuradoria especial sérvia de crimes de guerra, Bruno Vekaric. O Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII) acusou Zupljanin de cometer crimes de guerra contra muçulmanos e croatas em Banja Luka durante a Guerra da Bósnia (1992-1995).  Vekaric disse que Zupljanin foi detido pela polícia sérvia depois das 12h30 (7h30 de Brasília) e que foi levado ao departamento especial de crimes de guerra do Tribunal de Belgrado, onde será interrogado. O porta-voz afirmou também que o detido poderia ser extraditado ao TPII em um prazo de três dias. Zupljanin, um ex-chefe da polícia local servo-bósnia de Banja Luka, é um dos quatro acusados ainda reivindicados à Sérvia pelo TPII, com sede em Haia. O coordenador da ação da captura de Zupljanin, o procurador especial sérvio Vladimir Vukcevic, declarou que o detido não ofereceu resistência, e que tudo ocorreu em ordem. A detenção foi realizada pelas forças especiais do Ministério do Interior sérvio e dos serviços se segurança, segundo Vukcevic, que disse também que Zupljanin estava se escondendo "na Sérvia" ultimamente, mas não precisou mais detalhes. Vukcevic se negou a comentar se a prisão poderia servir de prévia para as detenções de outros foragidos acusados pelo TPII. O procurador ressaltou que "isso é um grande êxito" e "um claro sinal de que trabalhamos com seriedade neste assunto, que há vontade política para terminar este trabalho". Outro coordenador sérvio de um "plano de ação" de cooperação com o TPII, Rasim Ljajic, disse que "a Sérvia está fazendo tudo o que pode para cumprir seu compromisso" de plena cooperação com esse tribunal internacional, e anunciou que continuarão essas atividades. As autoridades sérvias tinham informado há poucos meses de uma tentativa fracassada de prendê-lo em Nis, cidade sérvia do sul a cerca de 230 quilômetros de Belgrado. A casa da família de Zupljanin na Bósnia foi revistada várias vezes e, em abril passado, seu filho sugeriu que se entregasse voluntariamente. O TPII pede a Belgrado também a captura e entrega dos ex-líderes político e militar servo-bósnios, Radovan Karadzic e Ratko Mladic, respectivamente, e o ex-líder dos sérvios da Croácia Goran Hadzic. A plena cooperação com o TPII é a principal condição para a aproximação da Sérvia à União Européia (UE).

Tudo o que sabemos sobre:
SérviaBósnia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.