Sérvia retoma ofensiva contra separação do Kosovo

O primeiro-ministro sérvio, VojislavKostunica, acusou no domingo as forças de paz da Otan e apolícia da ONU de usarem "franco atiradores e munição proibida"para sufocar um protesto contra a independência do Kosovo. "Foram as forças internacionais", disse ele em entrevista aum jornal sérvio, referindo-se ao distúrbio de segunda-feirapassada no bastião sérvio de Mitrovica, no Kosovo, onde morreuum policial ucraniano das Nações Unidas e um sérvio foi feridona cabeça. "Obviamente a situação no Kosovo é muito difícil e há genterazoável e outras que não são razoáveis", disse Kostunica. Quando as potências que respaldam a independência daprovíncia de maioria albanesa compreenderam que a Sérvia nuncaa reconheceria, "exibiram a força", disse Kostunica, "forçabrutal, franco atiradores e munição proibida." A polícia da ONU e as tropas da Otan invadiramsegunda-feira um edifício da corte das Nações Unidas que haviasido ocupado por manifestantes sérvios, incluindo funcionáriosdo Ministério do Interior da Sérvia. A ONU e a OTAN disseram que a violência foi instigada porBelgrado. Afirmaram que os sérvios lançaram granadas ecoquetéis molotov e que dispararam armas automáticas com aintenção deliberada de matar. Os sérvios afirmam que um homem entrou em coma após serbaleado por um franco atirador da Otan. A "munição proibida" deKostunica se refere a balas de borracha. Mais de 30 países reconheceram a independência do Kosovo,liderados pelos Estados Unidos e as maiores potências da UniãoEuropéia. A Rússia apóia a Sérvia e se refere à independênciacomo um movimento ilegal. (Reportagem de Gordana Filipovic)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.