Sérvios de Kosovo atacam postos de fronteira

Os sérvios de Kosovo saquearam naterça-feira dois postos de fronteira do norte da recém-criadaRepública independente, expulsando policiais albaneses e daOrganização das Nações Unidas (ONU) e obrigando à intervençãode forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Grupos formados por centenas de pessoas, algumas delasusando máscaras de esquiador, queimaram escritórios da ONU, daalfândega e da polícia instalados dentro de contêinerescolocados no que antes era a fronteira interna entre Kosovo e aSérvia. Esse foi o pior episódio de violência ocorrido desde que oslíderes albaneses de Kosovo declararam sua independência daSérvia, no domingo. Ninguém ficou ferido nos ataques deterça-feira. "Parece que essa foi uma operação bem organizada, pelonúmero de ônibus que vimos rumando para o norte", afirmou umporta-voz da Kfor, a missão de paz liderada pela Otan e cujossoldados foram convocados pela missão administrativa da ONU emKosovo, a Unmik, para intervir no incidente. Javier Solana, chefe da área de política externa da UniãoEuropéia (UE), deve desembarcar em Kosovo ainda na terça-feiraa fim de cumprimentar os líderes do novo país pela declaraçãode independência, reconhecida pela maior parte das potênciasocidentais, mas considerada ilegal pela Sérvia e pela Rússia. Os sérvios de Kosovo, com o apoio do governo sérvio e daaliada Rússia, avisaram que não reconhecerão a autoridade deuma missão da UE encarregada de assumir o papel de supervisorde Kosovo no lugar da Unmik, nos próximos quatro meses. Os sérvios são majoritários na ponta noroeste de Kosovo,contígua com a Sérvia. A ONU não conseguiu impor sua autoridadesobre a área, onde as instituições oficiais da Sérviaencontram-se bem arraigadas -- com o apoio agora aberto dadiplomacia russa. Cerca de 2 milhões de albaneses vivem em Kosovo junto de120 mil sérvios ainda presentes na ex-Província. Metade dessessérvios concentra-se na área que se estende de Mitrovica até afronteira com a Sérvia. Os demais vivem em enclaves isoladoslocalizados mais ao sul. (Reportagem de Fatos Bytyci, Matt Robinson e Luke Baker)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.