Sérvios destroem posto fronteiriço de Kosovo

A polícia da Organização das NaçõesUnidas (ONU) abandonou na terça-feira um posto de fronteira quefoi destruído por sérvios que prometem nunca se submeter aogoverno da maioria albanesa em Kosovo, província que declarousua independência no domingo. Soldados dinamarqueses da KFOR (força internacional sob ocomando da Otan) posteriormente ocuparam a guarnição nafronteira entre Kosovo e a Sérvia, segundo o comando docontingente, que não informou se essa tropa controla o acesso aKosovo. O primeiro-ministro do novo país, Hashim Thaci, minimizouos ataques contra dois postos fronteiriços no norte, um dosquais foi completamente queimado. "Tudo está sob controle das autoridades da Otan, da políciade Kosovo e da ONU, e nenhum incidente isolado vai afetar ascelebrações da independência de Kosovo", disse ele ementrevista coletiva ao lado do chefe da diplomacia da UniãoEuropéia, Javier Solana. "Kosovo é um integral, inseparável, e o território deKosovo está garantido e reconhecido internacionalmente", disseThaci. Testemunhas da Reuters viram a polícia da ONU destruirdocumentos oficiais e retirar computadores do postosemidestruído, para então partir num comboio escoltado porblindados. O chamado Portão 3-1, ao norte da localidade de ZubinPotok, foi abandonado. Carros sem placas passavam sem seremmolestados. Uma fonte da ONU que esteve ali depois disse ter vistoapenas um jipe com dois soldados estonianos sobre a fronteira. Solana admitiu que o reforço de 2.000 homens da Organizaçãodo Tratado do Atlântico Norte (Otan) para reforçar a segurançaem Kosovo -- inclusive na área sérvia do norte do novo país --ainda não está disponível. "Não peçam que a missão faça hojealgo que não tem condições de fazer", disse ele. "Eu gostariade dizer que ela será deslocada no território de Kosovo, deKosovo inteiro. A KFOR está aqui e a KFOR já usou suaresponsabilidade, suas obrigações aqui hoje." A força da Otan, que reúne 17 mil soldados de 35 países,conta com contingentes franceses, belgas, norte-americanos edinamarqueses no norte. O vandalismo no posto fronteiriço mostra que a UniãoEuropéia terá dificuldades na tarefa de substituir a ONU comoforça administradora de Kosovo. Até 1999, o local era apenas uma divisa entre províncias daSérvia. Até a semana passada, foi uma passagem controlada pelaONU. Agora é uma fronteira internacional, ao menos para ospaíses que reconheceram a independência de Kosovo. A Sérvia, que rejeitou a independência kosovar, diz que nãopermitirá que uma fronteira separe alguns sérvios dos demais.Sua aliada Rússia não tem tropas nos Bálcãs, mas prometeu seopor à independência "ilegítima" de Kosovo. Um jornalista sérvio disse à BBC que os ataques foramprovocados por rumores de que a nova bandeira kosovar seriahasteada nos postos fronteiriços. Não está claro se a polícia da ONU e as autoridadesalfandegárias kosovares voltarão a ocupar o posto naquarta-feira. (Reportagem adicional de Karin Strohecker em Viena)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.