Sete servo-bósnios são condenados por massacre de Srebrenica em 1995

Penas variam entre cinco anos e prisão perpétua pelo assassinato de 8 mil muçulmanos

Efe

10 de junho de 2010 | 11h37

Militares são julgados em Haia.

 

HAIA - O Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII) condenou nesta quinta-feira, 10, sete altos cargos da Polícia e do Exército servo-bósnios a penas de entre cinco anos e prisão perpétua, por seu papel no massacre de Srebrenica, em 1995.

 

O antigo coronel Ljubisa Beara - um dos braços direitos do ex-chefe das Forças Armadas servo-bósnias Ratko Mladic - e o tenente-coronel Vujadin Popovic foram sentenciados à pena de prisão perpétua, enquanto o ex-general Milan Gvero foi condenado a cinco anos e o ex-tenente Drago Nikolic a 35.

 

Beara e Popovic foram considerados culpados pelo crime de genocídio contra 8 mil muçulmanos e Nikolic, por "cumplicidade com genocídio", o que explica a pena mais branda. "Popovic sabia da intenção não só de matar os que tinham caído nas mãos das forças servo-bósnias, mas também a maioria deles (dos homens muçulmanos), para destruir o grupo", sentenciaram os juízes. Sobre Beara, os letrados disseram que ele foi uma "peça-chave" nos assassinatos e que "sabia de perto" quantos muçulmanos estavam destinados a ser executados.

 

Ljubomir Borovcanin e Vinko Pandurevic foram absolvidos do crime de genocídio e condenados a 17 e 13 anos de prisão por crimes como assassinato, perseguição e atos desumanos.

 

Radivoje Miletic e Milan Gvero, os únicos dos sete que não eram acusados de genocídio, foram condenados a 19 e a cinco anos de prisão, respectivamente. Os juízes consideraram que Miletic "teve pleno conhecimento" do plano contra os muçulmanos em Srebrenica e Zepa.

 

O julgamento contra os sete altos cargos servo-bósnios foi o mais longo e onde foram julgados juntos mais suspeitos de colaborar no massacre de Srebrenica. Os juízes constataram que o ataque a Srebrenica e a Zepa foram iniciados pelo ex-líder servo-bósnio Radovan Karadzic, que também está sendo julgado pelo TPII.

 

Em 1995, os servo-bósnios assassinaram cerca de 8 mil homens muçulmanos em Srebrenica, enquanto o restante da população foi expulsa, no pior caso de genocídio e limpeza étnica das guerras da antiga Iugoslávia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.