Síria e comércio estão no centro de encontro de Putin com UE

A União Europeia vai tentar mudar a postura do presidente russo, Vladimir Putin, a respeito da Síria e explorar seu compromisso por laços mais estreiros numa reunião de cúpula que os cautelosos vizinhos classificam como improvável para atingir grandes avanços.

DENIS DYOMKIN, REUTERS

03 de junho de 2012 | 16h16

Putin recebeu líderes da UE para um jantar neste domingo, na véspera de negociações que terão lugar em um imóvel extravagane nas proximidades de sua cidade natal, São Petersburgo. Esta será a primeira cúpula da Rússia e da UE desde seu retorno à presidência, em 7 de maio.

Diplomatas europeus disseram que o encontro será uma chance para se habituarem a Putin, que formalmente está de volta à dianteira da política externa.

Mas a cise na Síria pode azedar o humor e tomar o lugar de temas como comércio, entre outros. Moscou tem minimizado esforços do Ocidente para condenar o presidente síro, Bashar al-Assad.

Tanto a Rússia quanto a Europa ainda mantêm esperanças de que o plano apoiado pelo enviado da ONU Kofi Annan acabe com 15 meses de derramamento de sangue atribuído pelo Ocidente a Assad. Mas os países da UE gostariam que a Rússia pressionasse o líder da Síria a retirar armamento de cidades e a suspender ataques conforme pede o plano de paz. Eles também querem ver Assad longe do poder.

"Precisamos ter certeza de que a Rússia está usando totalmente seu poder para convencer o regime a implementar (o plano)", afirmou uma autoridade da UE. “O lado da Rússia certamente não tem ajudado muito em achar soluções em termos de uma saída política."

A Rússia insiste que não está protegendo Assad, que tem dado a Moscou sua base mais firme no Oriente Médio, e afirma que a saída do líder sírio não pode ser uma pré-condição para o diálogo político.

Tudo o que sabemos sobre:
UEPUTIN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.