AP
AP

Sobe para 179 número de mortos em terremoto na Itália

Mais de 1,5 mil pessoas ficaram feridas e 50 mil estão desabrigadas; vinte e seis cidades e vilas foram afetadas

Agência Estado com Agências internacionais,

07 de abril de 2009 | 03h43

O número de mortes no terremoto que atingiu a região central da Itália na madrugada de segunda-feira, 6, aumentou para 179. Segundo equipes de resgates, pelo menos 34 pessoas continuam desaparecidas na cidade de L'Aquila, epicentro do tremor.

 

Veja também:

linkNão há vítimas brasileiras na Itália até agora, diz Itamaraty

linkTremor deixou 100 mil desabrigados, diz prefeito

linkAutoridades ignoraram alerta de terremoto na Itália

email Está na Itália? Envie seu relato

lista Brasileiros contam como enfrentaram o tremor

lista Cronologia: Piores tremores dos últimos anos

especialEntenda como acontecem os terremotos

mais imagens Fotos: Veja as imagens

video TV Estadão: Vídeo mostra a destruição em Áquila

 

Quarenta mortos ainda não foram identificados e estima-se que 1.500 pessoas tenham ficado feridas. O tremor deixou ainda 17 mil pessoas desabrigadas e mais de 10 mil casas e edifícios foram danificados, segundo o Serviço de Defesa Civil.

 

Na tarde de segunda-feira, a chuva começou a dificultar os trabalhos de resgate na cidade de Áquila, onde foi registrado o epicentro, a mais de 100 quilômetros de Roma. Vinte e seis cidades e vilas foram afetadas.

 

Apesar do mau tempo, os serviços de emergência prosseguiram com seus trabalhos, com base no centro histórico da cidade medieval. Já foram instaladas tendas em diferentes complexos esportivos que servem de abrigo aos desabrigados. Segundo afirmou à Agência Efe um dos funcionários da Defesa Civil na região, Arturo Vernillo, quanto mais tempo passar, mais difícil será encontrar desaparecidos com vida.

 

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, assegurou que 30 milhões de euros serão destinados de forma imediata aos desabrigados e que, por enquanto, não se faz necessária a ajuda de pessoal qualificado do exterior, lembrando que 35 países ofereceram "solidariedade e apoio" à Itália. Entretanto, Berlusconi afirmou que posteriormente será feito um pedido aos fundos europeus que pode chegar a algumas centenas de milhões de euros.

 

Segundo o chefe de governo, mais 1.200 bombeiros e mil policiais são necessários na região afetada pelo terremoto. Um dos prédios onde há trabalho de resgate é a Casa do Estudante, onde o desabamento de uma das fachadas laterais deixou várias pessoas presas. Pela manhã, foram retirados um estudante morto e outro vivo e, segundo policiais, ainda restam outros cinco jovens sob os escombros. Há mais vítimas presas em escombros de outras construções que desabaram com o tremor.

 

Durante a noite de segunda-feira, foram sentidas réplicas do terremoto, uma de 4,8 graus na escala Richter. Algumas delas chegaram a interromper o trabalho das equipes de resgate.

 

Terremoto no Pacífico Norte

 

Um outro forte terremoto, de magnitude 7 na escala Richter, atingiu nesta terça-feira as Ilhas Kuril, um arquipélago no Pacífico Norte, motivo de disputa territorial entre a Rússia e o Japão, disseram sismólogos americanos.

 

Texto atualizado às 5h30

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.