Christof Stache/AP
Christof Stache/AP

Sobe para 300 número de presos em protestos contra a Otan

Ministra do Interior da França acusou ativistas de tentarem 'homicídio coletivo' com incêndios de prédios

Efe,

05 de abril de 2009 | 12h39

A ministra do Interior francesa, Michèle Alliot-Marie, confirmou neste domingo, 5, que os protestos contra a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), realizada este sábado em Estrasburgo, acabaram com 300 detenções.

 Veja também:

link Otan decepciona com reforço ao Afeganistão

 

Os manifestantes mais violentos, cerca de 2 mil, fazem parte de grupos de "guerrilha urbana" e têm diversas nacionalidades, disse a ministra, em declarações à emissora de rádio "RTL".

Alliot-Marie saiu à margem das críticas dos que denunciam que o  governo não soube controlar os ativistas, argumentando que as forças de segurança impediram que os distúrbios fossem mais além.

É muito complicado, disse, controlar agitadores que se misturam  entre os pacifistas para, como ocorreu ontem, destruir o patrimônio público e inclusive alguns edifícios que foram incendiados.

Segundo a ministra, esses atos não são só "incêndios voluntários", mas são considerados "tentativa de homicídio voluntário".

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaOtanprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.