Sonegadores correm para entregar-se na Alemanha após caso Hoeness, diz jornal

O julgamento e a condenação do ex-presidente do clube Bayern de Munique Uli Hoeness por sonegação fiscal deu início a uma onda de declarações que resultaram em 16.926 sonegadores apresentando-se às autoridades nos quatro primeiros meses do ano, disse um jornal alemão neste domingo.

Reuters

11 Maio 2014 | 14h07

O jornal Welt am Sonntag disse que consultou autoridades financeiras nos 16 Estados da Alemanha e que o número de declarações nos primeiros quatro meses de 2014 somavam mais do que o total combinado de 2011 e 2012.

O jornal disse que, desde 2010, quando a onda de autorrevelações começou, a Alemanha já recebeu um total de 4,3 bilhões de euros de volta em impostos e punições para um total de 82.995 pessoas que procuraram as autoridades para revelar irregularidades.

Os sonegadores que revelam-se antes do início de uma investigação podem evitar a cadeia com o pagamento dos impostos e de juros.

Hoeness foi sentenciado, em março de 2013, a 3 anos e meio de prisão por evasão de 27 milhões de euros em impostos e teve que pedir demissão como presidente do Bayern, time que ele levou à elite do futebol mundial.

Hoeness admitiu a sonegação sobre rendimentos recebidos em segredo em bancos na Suíça, mas pediu clemência em um dos casos mais examinados deste tipo na história da Alemanha.

(Por Erik Kirschbaum)

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHA SONEGADORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.