Sonegadores correm para entregar-se na Alemanha após caso Hoeness, diz jornal

O julgamento e a condenação do ex-presidente do clube Bayern de Munique Uli Hoeness por sonegação fiscal deu início a uma onda de declarações que resultaram em 16.926 sonegadores apresentando-se às autoridades nos quatro primeiros meses do ano, disse um jornal alemão neste domingo.

Reuters

11 de maio de 2014 | 14h07

O jornal Welt am Sonntag disse que consultou autoridades financeiras nos 16 Estados da Alemanha e que o número de declarações nos primeiros quatro meses de 2014 somavam mais do que o total combinado de 2011 e 2012.

O jornal disse que, desde 2010, quando a onda de autorrevelações começou, a Alemanha já recebeu um total de 4,3 bilhões de euros de volta em impostos e punições para um total de 82.995 pessoas que procuraram as autoridades para revelar irregularidades.

Os sonegadores que revelam-se antes do início de uma investigação podem evitar a cadeia com o pagamento dos impostos e de juros.

Hoeness foi sentenciado, em março de 2013, a 3 anos e meio de prisão por evasão de 27 milhões de euros em impostos e teve que pedir demissão como presidente do Bayern, time que ele levou à elite do futebol mundial.

Hoeness admitiu a sonegação sobre rendimentos recebidos em segredo em bancos na Suíça, mas pediu clemência em um dos casos mais examinados deste tipo na história da Alemanha.

(Por Erik Kirschbaum)

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHASONEGADORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.