Strauss-Kahn é alvo de inquérito por estupro coletivo

Promotores franceses anunciaram na segunda-feira que abriram inquérito relativo a acusações por estupro coletivo realizado por Dominique Strauss-Kahn e três amigos, como parte de uma investigação sobre suas ligações com uma suspeita rede de prostituição na cidade de Lille.

REUTERS

21 Maio 2012 | 13h25

O ex-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) está sob investigação formal para verificar se ele sabia que estava lidando com prostitutas e cafetões, quando frequentava festas de sexo em Lille, Paris e Washington em 2010 e 2011, que foram organizados por colegas de negócios.

Os investigadores pediram aos promotores para estender a investigação após uma prostituta dizer-lhes em seu depoimento que Strauss-Kahn e amigos forçaram-na a ter relações sexuais em grupo, quando chegou a Washington para encontrá-lo, em dezembro de 2010.

A mulher não apresentou uma queixa formal.

"Após acusações de investigadores ... relativa aos acontecimentos em Washington entre 15 e 18 de dezembro de 2010, que eles acreditam que poderiam ser qualificados como estupro em grupo, promotores de Lille ordenaram o início de uma investigação preliminar", afirmaram os promotores em comunicado.

O caso, chamado de "caso Carlton" por causa do hotel onde a rede de prostituição supostamente teria operado, é o mais recente escândalo a atingir Strauss-Kahn, cuja carreira como economista bem-sucedido e político socialista foi dilacerada no ano passado por outro escândalo sexual.

Uma vez cotado para a corrida presidencial de 2012 da França, ele foi forçado a abandonar seus planos políticos e teve que se demitir do cargo de chefe do FMI depois de ser preso em Nova York. Strauss-Kahn foi acusado de tentar estuprar a camareira de hotel Nafissatou Diallo, em maio do ano passado.

Strauss-Kahn passou a ser alvo de investigação formal em março, no caso de Lille, que já levou à prisão oito pessoas, incluindo dois empresários de Lille e um comissário da polícia.

Ele também enfrenta uma ação civil em Nova York, movida por Diallo, a quem ele também está processando, alegando que as acusações dela custaram-lhe o emprego e qualquer chance de ser eleito presidente.

(Reportagem de Pierre Savary, em Lille)

Mais conteúdo sobre:
FRANCA STAUSSKAHN INQUERITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.