Strauss-Kahn poderá ocupar cargo na França, diz rival socialista

O ex-diretor-geral do FMI Dominique Strauss-Kahn poderá voltar a ocupar cargos públicos na França se for inocentado das acusações de crimes sexuais, segundo um dirigente do Partido Socialista.

DANIEL FLYNN E THIERRY LEVEQUE, REUTERS

22 de agosto de 2011 | 09h40

François Hollande, que se tornou favorito para assumir a candidatura socialista depois da prisão de Strauss-Kahn, em maio, disse que caberá ao ex-ministro das Finanças francês decidir se irá participar das primárias partidárias caso as acusações sejam retiradas.

Strauss-Kahn foi detido em maio, em Nova York, após denúncias de uma camareira de hotel. Mas nas últimas semanas crescem os sinais de que o caso será arquivado devido a dúvidas sobre a credibilidade da acusadora.

"Não importa o que já foi dito, um homem com as capacidades de Dominique Strauss-Kahn pode ser útil ao seu país nos próximos meses e anos", disse Hollande à rádio France Inter.

Sobre a possibilidade de Strauss-Kahn disputar a indicação socialista para a eleição presidencial de abril, Hollande respondeu: "Isso depende dele."

Os políticos socialistas tinham até 13 de julho para se inscrever nas primárias de outubro. A maior parte dos apoiadores de Strauss-Kahn já optou por outros nomes.

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCADSKCARGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.