Shannon Stapleton/AP
Shannon Stapleton/AP

Strauss-Kahn volta à França em poucos dias, diz líder socialista

Ex-diretor-gerente do FMI deve retomar carreira política após arquivamento de processo

REUTERS

30 de agosto de 2011 | 18h02

PARIS - Dominique Strauss-Kahn deve voltar à França nos próximos dias, disse nesta terça-feira a líder socialista Martine Aubry, depois do arquivamento do processo em que ele era acusado de crimes sexuais em Nova York. "Ele está voltando nos próximos dias", afirmou Aubry, pré-candidata a presidente, ao Canal+.

O próprio Strauss-Kahn, que renunciou ao cargo de diretor-geral do Fundo Monetário Internacional por causa das acusações, em maio, era visto como favorito para ser o candidato do Partido Socialista à presidência em 2012, mas teve suas ambições podadas devido ao escândalo.

As pesquisas mostram que a maioria dos franceses é contra a volta dele à política, apesar do arquivamento do processo. Muitos políticos socialistas comemoraram a libertação de Strauss-Kahn, mas outros manifestaram dúvidas sobre a possibilidade de ele retomar sua carreira política.

Também falando ao Canal+, o ex-premiê socialista Michel Rocard disse que seu correligionário sofre de uma "doença mental" que o impede de controlar seus impulsos. Dois outros membros do Partido Socialista saíram rapidamente em defesa de Strauss-Kahn depois desses comentários.

"O senhor Rocard é que tem alguma dificuldade de controlar seus impulsos hoje em dia", disse o ex-ministro Jack Lang nesta terça-feira ao canal LCI. "Não sabia que o senhor Rocard era um especialista médico de estatura internacional", disparou o também ex-premiê Laurent Fabius no canal iTele.

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCADSKVOLTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.