Subúrbios de Paris têm segunda noite de distúrbios

A polícia francesa usougás lacrimogêneo na noite de segunda-feira para dispersararruaceiros na periferia norte de Paris, onde dois jovensmorreram por causa de um acidente envolvendo um veículopolicial. Na segunda noite de distúrbios, cerca de cem agentes datropa de choque foram atacados com rojões em Villiers-le-Bel eresponderam com gás, balas de borracha e balas de tinta (queservem para identificar os envolvidos), segundo uma testemunhada Reuters. Uma autoridade do governo local disse que umpolicial sofreu ferimentos leves. Um carro, um caminhão de lixo e um veículo policial foramincendiados. Em 2005, milhares de carros foram queimados nas periferiasdas grandes cidades francesas, habitadas principalmente porimigrantes e seus descendentes, depois que dois adolescentesmorreram eletrocutados, aparentemente ao fugir da polícia. Os subúrbios receberam policiamento extra na segunda-feira,depois que na véspera 28 carros e cinco prédios, inclusive umadelegacia, foram queimados. Os incidentes deixaram 26 policiaise bombeiros feridos. Nove pessoas foram detidas no domingo. Os distúrbios aparentemente começaram depois de umacidente, no fim de semana, envolvendo um carro da polícia euma moto, ocupada por dois adolescentes, de 15 e 16 anos. Apolícia diz que a moto era roubada e que os jovensdesrespeitaram as regras de trânsito. As autoridades prometem investigar se houve omissão desocorro aos dois jovens, como dizem parentes e moradores daárea. "Peço a todos que se acalmem e deixem o Judiciário decidirquem foi responsável", disse o presidente Nicolas Sarkozy, queem 2005 era ministro do Interior e agiu com dureza contra osdistúrbios. A promotora encarregada do caso disse que as primeirasinvestigações indicam que a moto estava em alta velocidade nahora do acidente e que os policiais chamaram o resgateimediatamente. As famílias dos jovens contestam tal versão. O morador quese identificou como Calbo disse que os jovens foram atingidospor trás. "[Os policiais] viram que eles estavam feridos, elesnão ajudaram. Os policiais tentaram fugir ligando o carro. Nãoconseguiram porque estava danificado, então fugiram [a pé]." O prefeito Didier Vaillant também pediu calma. "Faço umapelo a todos os habitantes, e notavelmente aos jovens, paraque possamos restabelecer a calma em nossa cidade", disse ele auma TV. (Reportagem adicional de Laurent Hamaide em Paris eEmmanuel Jarry em Pequim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.