Suécia avisa Israel para não tentar dividir UE sobre Jerusalém

Documento aprovado pelo bloco europeu pede que cidade seja capital de Estados judeu e palestino

Efe,

10 de dezembro de 2009 | 11h34

O ministro de Assuntos Exteriores da Suécia, Carl Bildt, alertou Israel nesta quinta-feira, 10, que não tente gerar divisões na Europa sobre a defesa de Jerusalém como capital de dois Estados e assegurou que a opinião dos 27 países-membros da União Europeia (UE) sobre o assunto é uma só.

 

Segundo Bildt, cujo país preside o bloco durante este semestre, "se lermos a imprensa (israelense) parece que pensam que a UE não existe e que a relação está dividida. (...) Esse jogo de divisão dá poucos frutos", disse.

 

Para Bildt, na terça-feira, com a aprovação do documento sobre o conflito palestino-israelense pelos 27 Estados-membros do bloco, "ficou claro que a UE existe também no referente ao Oriente Médio".

 

No texto, a UE defende que Jerusalém seja a "capital futura de dois Estados" e diz que não reconhecerá mudanças de fronteiras na região realizadas após 1967, salvo depois de um acordo.

 

"Talvez tenhamos sido mais claros que outros, mas isso é importante", disse, sobre a postura expressada pelos 27 países-membros da UE.

 

Jerusallém Oriental, área reclamada pelos palestinos como capital de seu futuro Estado, foi capturada por Israel na Guerra dos Seis Dias em 1967. Os israelenses, porém, não aceitam em conceder o território aos palestinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.