Suposto sócio de 'Mercador da Morte' russo é preso na Austrália

Um homem acusado de ser fugitivo internacional e sócio do notório traficantes de armas russo Victor Bout foi preso na Austrália, disseram autoridades nesta sexta-feira.

ROB TAYLOR, Reuters

11 de janeiro de 2013 | 08h34

Richard Ammar Chichakli, de 53 anos, apareceu brevemente em tribunal da cidade de Melbourne na quinta-feira, após ter sido identificado durante aplicação para se tornar um oficial de segurança do governo, disseram a polícia e autoridades judiciais.

"O homem foi considerado uma pessoa de interesse através de uma verificação de antecedentes de rotina e o emprego não foi oferecido a ele", disse um porta-voz da polícia do Estado de Victoria.

Ele aparentemente entrou no país usando uma identidade falsa. Chichakli é considerado pelo Departamento Antidrogas dos EUA um sócio próximo de Bout, que é conhecido como o "Mercador da Morte".

Chichakli, um contador com dupla cidadania síria e norte-americana, era procurado desde abril de 2005 por acusações de lavagem de dinheiro e fraude, bem como tentativa de comprar dois aviões para transportar armas para Bout. Ele nega as acusações.

Acredita-se que ele escapou de operações do FBI em sua casa perto de Dallas, no EUA, fugindo primeiro para a Síria e depois para Moscou.

Ele é acusado pelas autoridades norte-americanas de ter sido o homem responsável pelo dinheiro de Bout, cuja história serviu de inspiração para o filme de Hollywood "Senhor da Guerra". O filme é sobre um traficante de armas do leste europeu que vende armas para insurgentes e os regimes autocráticos da África e Oriente Médio.

Entre os que disseram ter comprado armas a partir da dupla estão o ex-homem forte da Libéria Charles Taylor, que foi condenado no ano passado a 50 anos de prisão por crimes contra a humanidade, bem como os regimes do Sudão, Líbia e Angola.

Bout, um ex-oficial militar soviético, foi preso na Tailândia em 2008 e extraditado para os Estados Unidos em 2010.

Ele foi condenado em abril a 25 anos de prisão pelo crime de conspirar para vender armas aos militantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para uso contra agentes antinarcóticos norte-americanos.

Chichakli enfrenta nove acusações nos Estados Unidos, cada um com pena máxima de prisão de 20 anos. Um porta-voz do Departamento de Justiça vitoriano disse que Chichakli não enfrenta qualquer acusação lá.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAMERCADORSOCIOPRESO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.