Suprema Corte da Rússia vai revisar condenações de ex-magnata do petróleo

A Suprema Corte da Rússia disse nesta quarta-feira que vai revisar duas condenações contra o ex-magnata do petróleo Mikhail Khodorkovsky, incluindo uma decisão que, segundo os críticos do Kremlin, impede que ele retorne ao país mesmo com o perdão presidencial.

Reuters

25 de dezembro de 2013 | 16h03

Após passar mais de uma década na prisão, Khodorkovsky - que era visto como um prisioneiro político de Vladmir Putin - foi inesperadamente perdoado e liberado na última sexta-feira, e permanece em Berlim desde então.

O governo garantiu que o ex-magnata é livre para retornar a seu país natal, mas Khodorkovsky afirmou que não tem garantia de que poderá sair da Rússia uma vez que volte.

O ex-prisioneiro disse que não voltaria para casa enquanto uma ordem judicial que o obriga a pagar 17 bilhões de rublos (521 milhões dólares) em impostos atrasados continue vigente.

Um porta-voz da mais alta corte da Rússia afirmou que uma revisão das condenações sobre a sua gestão na extinta petroleira Yukos ocorrerá nos próximos dois meses com base na recomendação do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Khodorkovsky foi condenado por graves crimes financeiros em julgamentos avaliados por críticos do Kremlin como uma campanha política para colocar seus ativos de petróleo sob controle do estado e enviar uma mensagem aos magnatas do setor.

(Reportagem de Maria Tsvetkova)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAMAGNATAPETROLEO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.