TVN.bg / Reuters
TVN.bg / Reuters

Suspeito de assassinato de jornalista búlgara é preso na Alemanha

Agentes búlgaros encontraram na residência de Severin Krassimirov, de 21 anos, objetos relacionados a Viktoria Marinova; primeiras investigações apontam que o crime não está relacionado com a profissão da vítima

O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2018 | 04h54
Atualizado 10 Outubro 2018 | 15h53

SÓFIA, BULGÁRIA - Um suspeito de estuprar e assassinar a jornalista búlgara Viktoria Marinova foi preso na Alemanha, informou autoridades nesta quarta-feira, 10. As primeiras investigações apontam que o crime não está relacionado com a profissão da vítima.

O procurador-geral da Bulgária Sotir Tsatsarov confirmou a prisão de Severin Krassimirov, cidadão búlgaro de 21 anos. Segundo informações do ministro do Interior do país, Mladen Marinov, o suspeito morava em Ruse, cidade onde Viktoria foi encontrada morta, e a mãe dele estaria morando na Alemanha.

A jornalista foi assassinada depois de ter sido agredida com uma pancada na cabeça, estrangulada e estuprada no último final de semana. Os agentes búlgaros encontraram na residência do suspeito, em Ruse, vários objetos relacionados à vítima, enquanto as mostras de DNA dele coincidem com as impressões digitais encontradas no corpo dela, acrescentou o ministro.

"Nesta etapa, não podemos dizer que o assassinato está relacionado com a vida profissional da vítima", disse Tsatsarov durante entrevista coletiva. "No momento, estamos seguindo um processo de detenção europeu. O promotor alemão prendeu o suspeito, eles vão avaliar como proceder", acrescentou. Ele disse que as evidências sugerem que foi "um ataque espontâneo, não premeditado".

Marinov disse que o agressor tinha antecedentes criminais por roubo de sucata. O ministro acrescentou, ainda, que os investigadores falaram com a família e os amigos de Viktoria e que o crime "não tem ligação aparente com o trabalho dela".

Tsatsarov afirmou que o suspeito recebeu acusações por estupro com uso de força e assassinato, o que pode acarretar até em prisão perpétua. O procurador disse que o suspeito, após atingir a jornalista no nariz e no rosto, a arrastou até uma região arborizada e a estuprou de forma "brutal e perversa".

"Depois foram mais golpes: o suspeito treinava boxe. O resultado desses golpes causou mais traumas em seu crânio", o que causou a morte da vítima, acrescentou Tsatsarov. /AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.