Suspeito de matar opositor russo é muçulmano devoto e chocado com charges do Charlie Hebdo

Um suspeito checheno de assassinar o líder da oposição russa Boris Nemtsov é um "profundo crente" que ficou chocado com as charges do Charlie Hebdo do profeta Maomé, disse o líder checheno Ramzan Kadyrov no domingo.

REUTERS

08 Março 2015 | 16h26

Investigadores russos disseram na semana passada que estavam analisando a possibilidade de que militantes islâmicos tinham assassinado a tiros Nemtsov, um liberal, por sua defesa das charges no jornal semanal satírico francês Charlie Hebdo.

"Todos que conhecem Zaur (Dadayev) confirmam que ele é um crente profundo e também que ele, como todos os muçulmanos, ficou chocado com as atividades de Charlie e comentários de apoio aos desenhos", escreveu Kadyrov em sua conta no Instagram.

Kadyrov também confirmou que Dadayev, um dos cinco suspeitos detidos por suposto envolvimento no assassinato de Nemtsov em 27 de fevereiro, foi um membro da polícia chechena e chegou a ser condecorado por bravura.

(Reportagem de Jason Bush)

Mais conteúdo sobre:
RUSSIA ACUSADO OPOSITOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.